Juiz voltou ao local do crime, afirma relatório da PF

O relatório da Polícia Federal é categórico ao rechaçar a história do juiz eleitoral Paulo Hamilton. "Se as provas materiais são os meios objetivos que levam o espírito a atingir a verdade, as imagens supra-anexadas, bem como as filmagens que seguem anexas, se prestam para plantar a percepção de uma realidade indubitável, a de que não houve nenhum sequestro."

FAUSTO MACEDO, Agência Estado

18 Junho 2013 | 09h00

O documento tem 12 páginas e 13 fotos. A PF capturou imagens de circuito de segurança na Rua Haddock Lobo, próximo a uma franquia do Fran?s Café, local onde o magistrado afirmou ter estacionado seu veículo. "As imagens demonstram um fato bastante incoerente." À página 8 do relatório, a PF abriu o capítulo "Do retorno do dr. Paulo Hamilton ao local do crime". Na noite de 9 de setembro o magistrado retornou à Rua Haddock Lobo e indagou o porteiro de um prédio "se aquela câmera filmava e qual o alcance da mesma?"

A PF se revelou "surpresa" com outro detalhe. "Estranhamente, as imagens cedidas pelo Fran?s Café estão incompletas e o minuto exato em que o carro (com o suposto sequestrador) estaciona ao lado de suas mesas localizadas na calçada bem como o momento do desembarque do dr. Paulo não estão nas imagens fornecidas."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
PFjuizsequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.