Juiz torna sem efeito liminar que suspendia tempo de Aloysio Nunes

Candidato teria utilizado tempo que antes era ocupado por Quércia

Ricardo Valota, da Central de Notícias, Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2010 | 18h45

SÃO PAULO - O juiz auxiliar da propaganda eleitoral, desembargador Mário Devienne Ferraz, tornou, neste domingo, 12, sem efeito a liminar concedida que impedia a utilização, pelo candidato ao Senado Aloysio Nunes, do tempo total do horário eleitoral gratuito destinado à coligação Unidos Por São Paulo. Nunes teria utilizado, além do seu horário, o tempo antes ocupado pelo ex-candidato Orestes Quércia, da mesma coligação, que renunciou no início do mês.

 

A liminar, de caráter provisório, foi concedida ontem na representação proposta pelo também candidato ao Senado José de Paula Neto, da coligação União Para Mudar. A reconsideração da concessão foi pedida hoje pela coligação Unidos Por São Paulo, alegando que o tempo de propaganda eleitoral gratuita é dividido entre os partidos e coligações, independente do número de candidatos lançados.

 

Devienne reconheceu, ainda em análise provisória, que "não tendo havido exclusão de qualquer partido integrante da coligação e em remanescendo um seu candidato ao Senado Federal, em princípio ela deveria permanecer com o tempo que lhe foi destinado pela Justiça Eleitoral". O mérito da representação ainda será julgado.

 

A coligação União Para Mudar é formada pelo PRB, PDT, PT, PTN, PR, PSDC, PRTB, PRP, PC do B e PT do B e a coligação Unidos por São Paulo pelo PMDB, PSC, PPS, DEM, PHS, PMN e PSDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.