Juiz quer reabrir investigação da morte de Toninho do PT

Nove anos após o então prefeito de Campinas, Antônio da Costa Santos, o Toninho do PT, ter sido assassinado com um tiro dentro de seu carro, o juiz da Vara do Júri do Fórum da cidade, José Henrique Torres, pediu a reabertura do caso em ofício à delegacia seccional do município. O processo do caso da morte do prefeito tramitou no Tribunal de Justiça de São Paulo por 18 meses, e retornou ao Fórum de Campinas no mês passado.

ROSE MARY DE SOUZA, Agência Estado

11 de setembro de 2010 | 15h57

A investigação anterior apontava como um dos responsáveis pelo crime o sequestrador Wanderson Nilton Paulo de Lima, o Andinho, que está preso, sentenciado a quase 500 anos de detenção por outros crimes. Ele sempre negou envolvimento na morte do prefeito.

A viúva de Toninho, Roseana Garcia, requisitou à Procuradoria Geral da República (PGR) a entrada da Polícia Federal no caso. "Entrei com pedido em setembro do ano passado na PGR, mas até hoje ainda aguardo uma resposta ou audiência com o procurador geral", disse. Segundo o juiz Torres, não há provas para levar a júri Andinho, denunciado como coautor do crime.

Toninho do PT foi morto a tiros na noite de 10 de setembro de 2001, na Avenida Mackenzie, depois de deixar um shopping center em Campinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.