Juiz que denunciou ex-sócio de Renan vai depor no Senado

Lyra, pivô do caso de 'laranjas' , é acusado de ser mentor da morte de um funcionário da Secretaria da Fazenda

RICARDO RODRIGUES, Agencia Estado

30 de outubro de 2007 | 12h44

O senador Jefferson Péres (PDT-AM), relator da terceira representação contra o presidente licenciado do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ouve nesta quarta-feira, 31, às 10 horas, em sessão reservada, o juiz da 16ª Vara Criminal de Maceió, Marcelo Tadeu Lemos de Oliveira. Ele foi notificado por Jefferson por ter enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) notícia crime acusando o usineiro João Lyra de ser o autor intelectual do assassinato do funcionário da Secretaria da Fazenda de Alagoas Sílvio Viana. Veja também: Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan  Renan entrega a Péres DVD com denúncias contra ex-sócio  A terceira representação, apresentada pelo PSDB e o DEM, tem como base reportagem da revista Veja, na qual Lyra fala sobre uma suposta sociedade secreta entre ele e Renan em um jornal e duas emissoras de rádio em Alagoas. Na defesa prévia encaminhada ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar na semana passada, Renan negou a existência da sociedade e descreveu Lyra como um homem sem credibilidade para fazer a acusação.O juiz Marcelo Tadeu de Oliveira, titular da Vara de Execuções Penais de Alagoas, confirmou o convite. "Fui convidado e poderia até declinar do convite, mas vou tranqüilo porque não tenho nada a perder, pelo contrário, acho importante ocupar esse espaço para cobrar a apuração de vários crimes políticos que continuam impunes em Alagoas, e não só o caso Sílvio Vianna", afirmou o juiz, referindo-se ao assassinato do tributarista Sílvio Vianna, que foi executado a tiros por pistoleiros profissionais no dia 28 de outubro de 1996, no distrito de Ipioca, Litoral Norte de Maceió. No dia 25 de outubro, Renan entregou um DVD  ao senador Jefferson Péres (PDT-AM), que,  junto com sua defesa,  tem um depoimento do ex-tentente-coronel da Polícia Militar (PM) Manoel Francisco Cavalcante em que revela os bastidores do crime organizado em Alagoas. O material revela ainda o envolvimento do ex-deputado federal João Lyra (PTB) na morte do tributarista Sílvio Vianna, assassinado a tiros em 28 de outubro de 1996, em Maceió.  Para os assessores de Lyra, Renan decidiu se defender atacando, com intuito de descreditar seu principal rival no Estado. Foi Lyra quem denunciou Renan de ter usado supostos laranjas para comprar emissoras de rádio e um jornal, em "sociedade secreta" com o próprio ex-parlamentar. Ao ser ouvido pelo corregedor do Senado, senador Romeu Tuma (PTB-SP), o ex-deputado apresentou recibos assinados pelo primo de Renan, Tito Uchoa, que comprova a transação comercial. 

Tudo o que sabemos sobre:
João LyraSenadocaso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.