Juiz nega pedido de resposta de Erenice contra revista

O juiz Luiz Otávio Duarte Camacho, da 4ª Vara Civil de Pinheiros, em São Paulo, arquivou ontem a ação em que a ex-ministra-chefe da Casa Civil Erenice Guerra pedia direito de resposta à revista Veja, por acreditar que a publicação feriu sua honra em reportagem publicada no início do mês. Além de não dar o direito de resposta a Erenice, o que extingue a causa, o juiz ainda frisou que a ex-ministra deve pagar as custas do processo. Ainda cabe recurso.

MARÍLIA LOPES, Agência Estado

24 de setembro de 2010 | 12h23

Em sua sentença, Camacho não analisa o mérito da causa, pois "a autora (Erenice) lida com conjeturas e suposições ao dizer que a reportagem é mentirosa". Ele argumenta que "não se pode falar aqui em direito de resposta se inexistentes os fatos que o viabilizariam".

O pedido de resposta foi protocolado no Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo na última terça-feira. Na ação, o advogado Sebastião Tojal, que representa a ex-ministra, solicitava a concessão de direito de resposta, em caráter liminar, à Veja e exigia que fosse disponibilizado pela revista o mesmo espaço utilizado para divulgar a reportagem que revelou a suposta ligação de Erenice e de seu filho Israel Guerra com um suposto esquema de tráfico de influência no Palácio do Planalto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.