Juiz nega liberdade a réu no mensalão preso com euro na cueca

Enivaldo Quadrado foi preso em flagrante ao voltar da Europa com o equivalente a R$ 1,16 milhão no corpo

09 de dezembro de 2008 | 16h00

O empresário Enivaldo Quadrado, flagrado na madrugada de sábado com 361 mil euros não declarados no Aeroporto de Cumbica, na Grande São Paulo, continuará preso. O juiz federal Alessandro Diaféria, do plantão judiciário no Fórum da Justiça Federal em Guarulhos, negou na última segunda-feira, 8, o pedido de liberdade provisória feito pelo suspeito, que está entre os réus no caso do mensalão.       Veja também: Os 40 do mensalão O valor, equivalente a R$ 1,16 milhão, estava distribuído, segundo a PF, sob as meias, na cintura, no interior de uma pasta de mão e até nas cuecas de Quadrado. A prisão foi em flagrante. A PF autuou o empresário por crime de falsidade ideológica, uma vez que ele declarou à Receita portar quantia inferior."Não há como negar que chama a atenção a expressiva quantia apreendida com o requerente e a preexistência de processo criminal envolvendo lavagem de dinheiro. Pode ser mera coincidência, mas não há como ignorá-la", alegou o magistrado em seu despacho. O juiz concluiu que o caso requer cautela e indeferiu o pedido de liberdade provisória.Ex-sócio da Bônus Banval Corretora de Valores, suposto canal para lavagem de dinheiro de Marcos Valério, apontado como operador do mensalão, Quadrado foi apanhado ao retornar de uma viagem à Europa. No processo do caso mensalão, o empresário é réu por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.