Juiz eleitoral libera campanha na Internet em Fortaleza

O juiz eleitoral Emanuel LeiteAlbuquerque, coordenador da fiscalização da propagandaeleitoral de Fortaleza, liberou o uso de blogs, Orkut e o enviode e-mails pelo endereço oficial dos candidatos. Em sua decisão, ele considera que é "inevitável o uso daInternet para a propaganda eleitoral". Ressalta ainda que asnormas foram especificadas no intuito de garantir o princípioda igualdade de oportunidades para os candidatos. A portaria que disciplina a propaganda eleitoral naInternet proíbe o spam (e-mails não solicitados) e apublicidade por meio de banners. Ou seja, restringe apropaganda àqueles que a procuram. A resolução não trata do uso do YouTube, que já está sendoutilizado por alguns candidatos para compartilhamento devídeos. O candidato a prefeito Adahil Barreto (PR), foi um dosque lançou um vídeo de sua campanha no YouTube. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) baixou resolução emfevereiro determinando que a propaganda na Internet ficarialimitada à página do candidato criada exclusivamente para acampanha. Mas o próprio TSE decidiu que o uso da rede seriajulgado de forma individual, caso a caso. DOCUMENTO AO TSE Nesta quinta-feira, integrantes da Comissão de Ciência,Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara enviarão aoTribunal Superior Eleitoral (TSE) um documento para solicitar areabertura do debate sobre o tema. Para o deputado Julio Semeghini (PSDB-SP), que conversoucom o presidente do TSE, ministro Carlos Ayres Britto, sobre oassunto, um novo pronunciamento da Justiça Eleitoral éessencial para que se crie um padrão de comportamento em todo opaís. Britto, que é contra a restrição do uso da Internet emcampanhas políticas, comprometeu-se a levar ao plenário do TSEa questão. Ainda não foi marcada uma sessão para a análise dotema. "Estamos tentando reverter isso. Não se pode limitar.Deve-se incentivar o uso da Internet, que tem duas vantagensimprescindíveis para a mudança do processo de campanhaeleitoral: facilita a comunicação com os jovens e éinterativa", declarou o parlamentar.(Reportagem de Clara Guimarães e Fernando Exman)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.