Juiz De Sanctis recusa promoção e fica no caso Dantas

Prazo para que magistrado que conduz Satiagraha se candidatasse à vaga de desembargador vencia nesta terça

da Redação

18 de novembro de 2008 | 18h39

O juiz da 6ª Vara Federal de São Paulo Fausto De Sanctis decidiu não se candidatar à vaga de desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região e vai continuar na condução da Operação Satiagraha, que investiga o banqueiro Daniel Dantas. O  prazo que ele tinha para se inscrever no processo de promoção e conquistar uma vaga de desembargador vencia nesta terça.   Veja também: Justiça nega pedido para suspender audiência de Dantas As prisões de Daniel Dantas  Os alvos da Operação Satiagraha    Segundo nota divulgada por De Sanctis, "não é a primeira vez que um magistrado deixa de se promover por vontade própria". E completa: "Não se trata de menoscabo ou desprezo de cargo relevante, muito menos de apego ou desapego".   Foi De Sanctis quem decretou as duas prisões do banqueiro durante a Operação Satiagraha, a pedido do delegado Protógenes Queiroz. Nas duas, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, concedeu habeas-corpus a Dantas.   A oportunidade é rara e poucos são os juízes que desprezam a ascensão - nem tanto pelo holerite, que incorpora reajuste de 5%, e mais pelo que oferece em prestígio, poder e distinção.   O TRF 3 é o maior dos cinco tribunais regionais, com jurisdição em São Paulo e Mato Grosso do Sul. Aloja 43 desembargadores. No momento, duas vagas estão livres, uma por aposentadoria, outra por morte. Uma cadeira pelo critério da antiguidade pode ser do juiz.     Leia a íntegra da note de De Sanctis:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.