Juiz condena tucano e pede nova eleição em Jundiaí

O juiz da 281ª Zona Eleitoral de Jundiaí, Marco Aurélio Stradiotto de Moraes Ribeiro Sampaio, determinou ontem a cassação do registro das candidaturas do prefeito eleito, Miguel Haddad (PSDB), e de seu vice, Luiz Fernando Machado, em três processos diferentes. Além da anulação dos votos obtidos por Haddad e da aplicação de multas, a sentença pede ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) a convocação de novas eleições dentro de 20 a 40 dias. Caso o TRE julgue a solicitação procedente, o PSDB poderá apresentar outro candidato.A advogada do PSDB, Priscila Pires Bartolo, informou que o partido vai recorrer. Haddad foi eleito em primeiro turno com 98.734 votos - 50,31% dos votos válidos. O segundo colocado, Pedro Bigardi (PC do B), teve 68.461 (34,89% dos votos válidos).As cassações referem-se a três processos: a primeira sentença diz respeito à apuração de supostas irregularidades na realização de pesquisa encomendada pelo PSDB, durante a campanha eleitoral. A denúncia feita pelo PC do B e pelo PT sustenta que os tucanos pagaram R$ 50 e forneceram lanches a quem participasse do levantamento. A advogada informou que o candidato desconhecia a pesquisa, encomendada para uso interno do PSDB. A defesa também nega a compra ou influência sobre os votos. "Estamos tranqüilos e confiantes de que o TRE vai avaliar com o devido cuidado."Priscila disse que vai entrar com recurso na Justiça Eleitoral de Jundiaí, com pedido de medida cautelar no TRE para suspensão dos efeitos da sentença. O objetivo é garantir a diplomação dos candidatos em 16 de dezembro e a posse, no dia 1º de janeiro, até decisão regular em instâncias superiores. Na segunda sentença, o juiz aponta uso da estrutura da Guarda Municipal em favor do tucano e, na terceira, suposta compra de votos por ele, seu vice e outros quatro candidatos a vereador. Sampaio determinou a anulação de seus votos e reconsideração do coeficiente eleitoral - o que pode alterar a composição final da Câmara Municipal. Em setembro, Sampaio já havia determinado a cassação do registro da candidatura de Haddad, em processo que apura "mau uso de meio de comunicação" em reportagens publicadas por um jornal local e suposto favorecimento do tucano. O PSDB recorreu da decisão e o próprio juiz acolheu pedido de suspensão dos efeitos da sentença.No fim de setembro, o PSDB entrou com pedido ao TRE de afastamento de Sampaio de processos contra os candidatos tucanos. O partido acusou o juiz de "prejulgamento" no processo que culminou na primeira decisão de cassação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.