Judiciário paulista segue em greve, após assembléia

Os funcionários do Poder Judiciário Estadual decidiram, nesta quarta-feira, em assembléia geral, dar continuidade à greve geral que completa 73 dias na quinta, dia 9. Os trabalhadores reivindicam reposição salarial de 26,30%.Uma nova assembléia foi marcada para o dia 22. Entretanto, o movimento tende a regredir face ao endurecimento do Tribunal de Justiça, que determinou o desconto dos dias parados. A dedução será feita nos holerites a serem distribuídos em outubro e vai abranger todo o mês de julho.As entidades representativas dos servidores do Judiciário impetraram mandado de segurança contra o presidente do Tribunal de Justiça, Luiz Tambara, na tentativa de impedir os descontos. Elas invocam o direito de greve previsto na Constituição Federal de l988. Este direito, contudo, até agora não foi regulamentado. O pedido de liminar será apreciado pelo primeiro vice-presidente do TJ, Mohamed Amaro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.