Judiciário não é agência do governo, diz TST

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Francisco Fausto, criticou a postura do governo na condução da reforma do Judiciário. "O Executivo está tratando essa questão como se o Judiciário fosse uma agência do Estado, e não um Poder", reagiu Francisco Fausto ao opinar sobre a criação de uma secretaria no âmbito do Ministério da Justiça para tratar da reforma do Judiciário. O presidente do TST tem criticado duramente o governo pelo adiamento da votação da Proposta de Emenda Constitucional da Reforma do Judiciário . A PEC tramita há 11 anos no Congresso Nacional e a proposta do Executivo de "voltar à estaca zero" causou indignação ao ministro Francisco Fausto. "Não é assim", disse. Para ele, "a impressão é que se quer acabar com o Judiciário como Poder, integrá-lo ao Executivo." Francisco Fausto afirmou que é possível fazer com que o Judiciário seja um dos três poderes da República, mas, para isso, teria que haver ampla reforma constitucional, "com cartas abertas, com transparência, e não com uma proposta que apenas dissimula essa intenção." "O Ministério da Justiça quer tomar a peito essa questão e isso não pode", criticou. O presidente do TST disse que, como um dos poderes da República, cabe ao Judiciário propor a sua reforma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.