Judiciário de SP volta a falar em greve

As associações que congregam os funcionários do Poder Judiciário Estadual não afastam a possibilidade de nova greve, por imediata reposição salarial. A reposição deveria ter ocorrido no mês passado, conforme acordo firmado entre os servidores e a Presidência do Tribunal de Justiça e que pôs fim, em novembro, a uma greve que durou 72 dias.Mas o atual presidente do TJ, Sérgio Nigro Conceição, já disse estar impossibilitado de cumprir o acordo, pois o governador Geraldo Alckmin não liberou a verba necessária de R$ 135 milhões, alegando queda de arrecadação.Representantes dos servidores continuam negociando com o Tribunal de Justiça, buscando solução para o impasse. Se nada for resolvido, não descartam a convocação de assembléia geral para definição de novos rumos, que incluiria paralisação por um dia ou mesmo nova greve.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.