Jucá: royalties poderão ficar para depois das eleições

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou no início desta noite que, durante o encontro entre líderes da base do governo e o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, ficou acertado que a questão dos royalties do petróleo poderá ser retirada do projeto de partilha caso não seja encontrada uma alternativa para substituir a forma de divisão das receitas aprovada pela Câmara. "Se não houver alternativa, os royalties ficam para depois das eleições", disse Jucá ao final do encontro.

RENATO ANDRADE, Agência Estado

13 de abril de 2010 | 20h16

Segundo o líder, se o desmembramento for o único caminho encontrado, a ideia é incluir o modelo de partilha no projeto que cria o Fundo Social, deixando assim a questão dos royalties parada no Senado até as eleições. Dessa forma, os projetos podem voltar à Câmara mesmo sem uma decisão dos senadores sobre o rateio dos royalties.

Jucá disse ainda que dificilmente haverá votação de relatórios dos quatro projetos do pré-sal nas comissões do Senado. Como o regime de urgência está mantido pelo governo, a partir do dia 19 de abril, a proposta que cria a Petro Sal já irá travar as votações no plenário do Senado. "Não haverá tempo para votar os relatórios nas comissões e, com isso, teremos uma discussão mais consolidada no plenário. A oposição provavelmente irá obstruir e a base aliada irá garantir o número necessário para votar os projetos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.