Jucá e Heloísa Helena trocam farpas sobre convocações

A base governista no Senado conseguiu derrubar hoje mais um requerimento para submeter à Casa a discussão sobre as acusações contra o ex-tesoureiro de campanha do senador José Serra (PSDB-SP), o empresário e ex-presidente da Previ, Ricardo Sérgio. Desta vez, no entanto, a temperatura subiu na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e o vice-líder do governo Romero Jucá (PSDB-RR) chegou a ter um áspero bate-boca com a senadora Heloísa Helena, cada um deles apresentando uma acusação contra o outro.O senador Lauro Campos (PDT-DF) havia apresentado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) um requerimento convidando o ex-diretor da Previ, Erik Persson, para apresentar dossiês sobre operações realizadas por Ricardo Sérgio que teriam causado prejuízo à instituição, quando este era diretor. Jucá encaminhou contrariamente, afirmando que a iniciativa teria caráter político-eleitoral. O líder do bloco da oposição, senador Eduardo Suplicy (PT-SP), no entanto, argumentou que seria uma oportunidade para discutir a intervenção do governo na Previ. Jucá, então, concordou com a condição de convocar também o secretário da Previdência Complementar, José Roberto Savóia, e o interventor, Carlos Eduardo Esteves Lima."Nestes termos eu concordo, com a condição de que a discussão não descambe para acusações e discussões eleitorais, porque se for assim vamos convocar também o senhor Antônio Palloci (prefeito de Ribeirão Preto do PT) para que explique a compra do molho de tomate com ervilha", provocou Jucá. A senadora Heloísa Helena (PT-AL), com o dedo em riste, afirmou que ele poderia fazer o requerimento. E afirmou que o deputado Aloizio Mercadante (PT-SP) só não havia sido convocado para depor na Comissão de Fiscalização e Controle do Senado porque a base governista impediu que houvesse quorum para votá-lo. "Pois eu vou lá para votar o requerimento", desafiou Jucá. "Sim, vá e vote também para convocar o Ricardo Sérgio e o ministro da Educação", retrucou a senadora. "Vou sim, para chamar também os diretores da Asefe (a Associação dos Servidores da Fundação Educacional do Distrito Federal)", ameaçou Jucá.ProtagonistasO tucano e a petista referiam-se a protagonistas de ambos os partidos envolvidos em acusações de corrupção. Além de Ricardo Sérgio, supostamente envolvido num esquema de corrupção na privatização da Companhia Vale do Rio Doce, a convocação do ministro da Educação, Paulo Renato, se deve ao fato de ele ter divulgado a informação. Há na CFC um requerimento da oposição para que ambos deponham sobre o assunto. Uma outra denúncia, ainda sobre a privatização da Vale, envolve o deputado Aloizio Mercadante, que participou das articulações para a formação de um consórcio nacional para a compra da companhia. A Asefe em Brasília, por sua vez, cujos diretores pertencem ao PT, está mergulhada num escândalo pelo desvio de R$ 20 milhões. Sobre os diretores pesa a acusação de terem usado o dinheiro para financiar a campanha dos candidatos de esquerda na eleição de 1998 em Brasília. Pallocci, que é também o coordenador da campanha eleitoral de Luís Inácio Lula da Silva, é acusado de ter realizado uma licitação de cestas básicas que exigiria, entre seus itens, o molho de tomate com ervilha, o que direcionaria a escolha do fornecedor.A sessão foi suspensa pelo presidente da CAE, senador Lúcio Alcântara (PSDB-CE) por falta de quorum e a votação do requerimento foi adiada para a semana que vem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.