Jucá diz que nova denúncia contra Temer seria ato 'melancólico' de Janot

Senador avalia que fatos revelados por Janot a segunda-feira mostram que a primeira denúncia apresentada contra Temer se tratou de uma 'armação' de Joesley Batista para conseguir perdão aos crimes

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 17h47

BRASÍLIA - Líder do governo no Senado, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), disse nesta terça-feira, 5, que a apresentação de uma nova denúncia contra o presidente Michel Temer seria uma "posição melancólica" do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

"Eu não sei qual é a denúncia que o Janot ia apresentar. Se ele tem consciência, se ele tem responsabilidade, se ele tem certeza, ele apresenta. Se ele não tem, eu espero que não seja uma posição melancólica e incorreta do Ministério Público como foi a primeira denúncia", disse.

Segundo o senador, os fatos revelados por Janot a segunda-feira levantam dúvidas em relação ao acordo de delação premiada dos empresários da JBS e mostram que a primeira denúncia apresentada contra Temer se tratou de uma "armação" de Joesley Batista para conseguir perdão aos crimes cometidos e não ir para a cadeia.

Para Jucá, "há muitas coincidências que precisam ser investigadas", especialmente em relação à atuação do advogado Marcelo Miller. O líder governista afirmou que o ex-procurador atuou, enquanto esteve no Ministério Público Federal, não somente no acordo da JBS, mas também nas delações do ex-presidente da Transpetro Sergio Machado, do ex-senador Delcídio Amaral e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. O peemedebista é citado por todos eles e, ao todo, responde por 14 inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), a maioria deles em decorrência das investigações da Operação Lava Jato.

O senador também defendeu que o Congresso abra uma investigação independente do caso. Ele, no entanto, não deu detalhes se isso seria feito através de uma Comissão Parlamentar de Inquérito ou algum outro instrumento. (

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.