Jucá diz estar otimista sobre aprovação da CPMF

O líder do governo no Senado, Romero Jucá, contou hoje que, na reunião do Conselho Político, no Palácio do Planalto, os dois principais assuntos foram a aprovação, no Senado, da emenda que prorroga até 2011 a vigência da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e a política externa brasileira em relação à Venezuela e à Bolívia.Jucá disse que, na reunião, fez um relato otimista sobre o trabalho que está sendo feito pelos aliados no Senado pela aprovação da emenda da CPMF. "Na segunda-feira, vamos ouvir a leitura do relatório e vamos votá-lo na terça-feira. Temos conversado com os líderes dos partidos, pedindo ajuda para ter o voto dos senadores", disse Jucá.Após lembrar que o presidente Lula já conversou sobre prorrogação da CPMF com o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), o líder do governo disse que o processo de entendimento "está avançando de diversos lados." Ele se declarou seguro em relação à obtenção dos votos necessários em plenário - no mínimo 49 - para aprovar a emenda. "Temos mais de 49 votos no plenário", afirmou. "Mas só no momento certo vamos dizer quais são", prosseguiu.Sobre política externa, Jucá relatou que, na reunião do Conselho Político, o ministro Celso Amorim (Relações Exteriores) foi convidado a fazer uma avaliação do relacionamento do Brasil com a Venezuela. Segundo Jucá, o chanceler fez uma avaliação técnica, mostrando a importância de o Brasil ter a Venezuela como um dos seus parceiros comerciais. "Ele (Amorim) defendeu a entrada da Venezuela no Mercosul porque se trata de um país importante para a América Latina e, portanto, é melhor tê-lo como aliado do que tentar simplesmente bani-lo".Outro argumento de Amorim, de acordo com Jucá, é o de que as questões internas daquele país não devem servir como parâmetro para a entrada ou não da Venezuela no Mercosul. Em relação à Bolívia, Jucá disse que a avaliação de Amorim foi a de que a questão do fornecimento de gás boliviano ao Brasil "está se encaminhando para um entendimento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.