Jucá: desoneração da CPMF pelo IR é mais eficiente

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RO), confirmou hoje que o governo desistiu de propor a redução progressiva da alíquota da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Segundo o senador, que participou da reunião dos líderes do PSDB com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a desoneração do tributo por meio do abatimento no Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) é mais eficiente, porque abrange o mercado formal. "Havia uma proposta de redução pura e simples da alíquota, de forma igual (para todos), mas hoje o governo colocou uma proposta direcionada para a redução da CPMF da pessoa física que tenha relação de trabalho e pague Imposto de Renda", explicou o senador. A proposta do governo prevê também a isenção total da contribuição para quem ganha até R$ 1.640,00. Segundo Jucá, esse limite pode ser "ampliado" em negociações. Em relação aos trabalhadores que ganham mais de R$ 1.640,00, o governo ainda não esclareceu de quanto poderá ser a dedução no Imposto de Renda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.