Jucá defende reajuste de servidores em audiência e diz que 5% é 'bom negócio'

O ex-ministro do Planejamento chegou a discutir com o senador Armando Monteiro (PTB-PE), que questionou o fato de o governo Temer estar apoiando medidas de aumento de gastos públicos, apesar do discurso de austeridade

Rachel Gamarski e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2016 | 14h27

BRASÍLIA - O ex-ministro do Planejamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), defendeu nesta quarta-feira, 6, o reajuste dos servidores federais já aprovados pela Câmara dos Deputados. Segundo ele, se todas as despesas da União aumentassem em um ritmo dentro da meta de inflação - como é a proposta de reajuste -, o problema fiscal do governo seria resolvido mais rapidamente.

"Aumentar em 5% os salários dos servidores ao ano é um bom negócio", afirmou, em audiência pública conjunta das comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. "Se depender de mim, vamos aprovar esses aumentos, que estão dentro do limitador de despesas que propomos para os próximos anos", afirmou.

Jucá chegou a bater boca com o senador Armando Monteiro (PTB-PE), ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) até o afastamento de Dilma Rousseff, que questionou o fato de o governo do presidente em exercício, Michel Temer, estar apoiando medidas de aumento de gastos públicos, apesar do discurso de austeridade. "Temos apenas 45 dias de governo Michel Temer. O governo atual não vai fazer receita (do ex-ministro da Fazenda) Joaquim Levy. Não vamos jogar para o mercado e fazer superávit de ocasião, queremos uma ação sustentável", completou.

Após críticas à política econômica do governo da presidente afastada Dilma Rousseff, Jucá foi confrontado pelos senadores petistas por ter feito parte da base governista na ocasião. O senador peemedebista respondeu chamando a bancada do PT na Casa de "Walking Dead". "Parecem a caminhada dos mortos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.