Jovens lincham índio em MG e dizem que queriam 'assustá-lo'

Segundo o diário mineiro 'A Gazeta', índio foi abordado por rapazes logo depois de sair de uma festa

17 de setembro de 2007 | 14h03

Um índio foi espancado e morto por quatro jovens no fim de semana em Manga, no norte de Minas Gerais. Segundo informações fornecidas pela Polícia Militar, índio xacriabá Avelino Nunes Macedo saía de uma festa no centro da cidade quando os rapazes começaram a seguí-lo.   Segundo o diário mineiro "A Gazeta", dos quatro suspeitos, dois são menores. Eles foram detidos pelos policiais. Os outros dois homens, Edson Gonçalves Costa e Gilberto Ferreira Costa, foram presos. Todos foram levados para a Delegacia de Manga, onde foram autuados.   Em depoimento prestado à polícia, eles admitiram ter espancado o homem e tirado sua roupa, para assustá-lo. O xacriabá não resistiu aos ferimentos e foi encontrado morto próximo a uma escola do município. A polícia informou que, antes de agredir e matar o índio, os suspeitos colocaram fogo em uma barraca da festa. Carteiras e outros objetos da escola foram queimados.   Índio Galdino   O caso de Macedo não é o único caso de agressão a índio que indignou a sociedade. No dia 20 de abril de 1997, o índio pataxó Galdino Jesus dos Santos - que ficou conhecido como "índio Galdino" - foi queimado vivo enquanto dormia num abrigo de ônibus, em Brasília.   O crime foi praticado por cinco jovens de classe média que disseram ter confundindo-o com um mendigo. Eles alegaram que queria  "dar um susto" em Galdino, e fazer uma "brincadeira".   O crime  aconteceu após Galdino ter participado de uma festa em comemoração ao Dia do Índio.   Texto atualizado às 15h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.