Josias diz que vai revelar os denunciados por Beira-Mar

O secretário estadual de Segurança Pública do RJ, coronel Josias Quintal, prometeu entregar nesta quinta-feira ao procurador-geral do Estado, José Muiños Piñeiro, a relação que o traficante Luiz Fernando Beira-Mar teria lhe fornecido na Colômbia, com nomes de políticos, policiais de diversas instituições e empresários envolvidos com o narcotráfico."Sei que muita gente está sem dormir, está preocupada. Parte do que foi revelado não foi novidade, parte surpreendeu muito".Nesta quarta-feira, em depoimento à Polícia Federal, o traficante negou que tenha revelado quaisquer nomes ao secretário.Quintal não quis dizer se os políticos envolvidos seriam deputados federais ou estaduais. Também não revelou quantos seriam.No começo da semana, o governador Anthony Garotinho afirmou que deputados de todos os níveis estariam na lista."Vou fazer um relatório reservado sobre esse encontro e encaminhar ao procurador de Justiça do Estado", disse Quintal. O secretário não quis falar sobre o parlamentar que teria recebido R$ 500 mil para sua campanha eleitoral e negou que o afastamento do ex-chefe de Polícia Civil, Rafik Louzada, e do detetive Fernando César Barbosa, nesta terça-feira, tenha relação com a prisão de Beira-Mar.Se depender da disposição dos deputados fluminenses, entretanto, Quintal terá que contar o que sabe. Nesta quarta-feira, o presidente da Assembléia Legislativa do RJ (Alerj), deputado Sérgio Cabral Filho (PMDB), convocou o secretário a prestar esclarecimentos em plenário na próxima quarta-feira. O deputado José Richard (PTB), que requereu a convocação, acredita que, embora polêmico, o assunto deve ser tratado abertamente na Alerj. "Isso não pode ser mantido em segredo. Temos de saber quais deputados foram denunciados por esse traficante", disse Richard. "Façam o que quiserem, estou pronto", rebateu o secretário.O deputado Chico Alencar é um dos que mais querem a divulgação da lista. "Essa generalização é muito grave. Josias não gostaria se divulgassem que Beira-Mar tem o apoio de secretários de segurança. Isso tudo tem um quê de factóide".Ele criticou também Garotinho. "O governador foi além nessa exibição multimídia e falou em deputados de todos os níveis."A Alerj vai pedir à Quintal explicações detalhadas sobre os gastos que o governo teve com o aluguel de um avião, em uma operação que, oficialmente, caberia à Polícia Federal.Ao lado dos procuradores do município de Duque de Caxias Márcia Velasco, Rogério Lima e Márcio Nobre, na secretaria de Segurança, o secretário afirmou que "não bateria boca com autoridades menores", em referência às críticas que vem recebendo de integrantes da Polícia Federal.Ele voltou a destacar o papel da polícia fluminense e do Ministério Público Estadual na captura de Beira-Mar pelas autoridades colombianas. "Nós temos feito o melhor trabalho, indubitavelmente."Quintal reafirmou ter tido dois encontros com Beira-Mar, em caráter "informal" e a pedido do traficante, com a presença do promotor colombiano Romeiros Muñoz, o delegado Fernando Moraes e o major Rogério Seabra Martins, da PM. "Naquela ocasião, ele (Beira-Mar) me afirmou que não falaria em juízo, que não assinaria qualquer documento, até porque ele tinha medo de morrer aqui no Brasil".Ele chamou de ingênuos os que contestam a sua versão. "Convenhamos, imaginar que neste País não existam pessoas dessas categorias envolvidas de algum modo com o crime seria ingenuidade demais. Quem contesta as conversas que eu tive com Beira-Mar que me perdoe."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.