José Serra ganha site de apoio para corrida presidencial

Apesar de não ter assumido publicamente sua pré-candidatura à presidência da República, o prefeito de São Paulo José Serra tem um site de apoio à corrida ao Palácio do Planalto. Com um manifesto assinado por professores da Fundação Getúlio Vargas, Unicamp e Universidade de São Paulo, um grupo de intelectuais lançou o Movimento Serra Presidente. A página do movimento na internet http://www.joseserrapresidente.com.br/ traz uma série de informações positivas, análises sobre sua eventual candidatura, referências a matérias veiculadas na imprensa e um amplo perfil do tucano.Entre os nomes que assinam o manifesto estão os economistas Luiz Gonzaga de Mello Belluzo e José Márcio Rego e Roberto Macedo; o cientista social José Álvaro Moyses; o historiador e jornalista Gildo Marçal Brandão; e a cientista política Maria Hermínia Tavares de Almeida. O texto do documento ataca o governo Lula e coloca Serra como o nome ideal para propor as alternativas necessárias ao País. Na seção "artigos", os idealizadores do site escolheram, um texto de Marcelo Rubem Paiva, que diz o seguinte: "Geraldo Alckmin (outro pré-candidato do PSDB à corrida presidencial)só sai candidato se José Serra quiser. O governador de São Paulo não apita na tribo, apesar da barulheira que faz.""Consideramos que José Serra pela consistência de sua trajetória, por sua experiência e coerência política, por sua visão aguda dos problemas do país e pelo padrão ético de sua conduta na vida pública, é quem pode e deve desempenhar este papel", afirma o manifesto. No documento, os integrantes do grupo alegam ainda que, "como cidadãos preocupados com os destinos do País", julgam que chegou o momento de impulsionar um "movimento suprapartidário" de apoio à escolha do prefeito paulistano como candidato à presidência.A criação do Movimento Serra Presidente lembra a estratégia que está sendo conduzida pelo Partido dos Trabalhadores para pedir ao presidente Lula que aceite se candidatar à reeleição no pleito deste ano. Assim como acontece no caso do prefeito tucano, diversos segmentos do PT decidiram criar uma mobilização para pedir a Lula que aceite disputar a reeleição, antes mesmo de o presidente ter se manifestado sobre o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.