José Serra dá sinais de que vai deixar o governo de São Paulo

Tucano se comportou como candidato, abraçando os velhinhos e posando para filmagens de sua equipe

José Maria Tomazela, de O Estado de S.Paulo,

05 Março 2010 | 15h49

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB) deixou escapar uma pista de que sairá do governo para concorrer à Presidência da República, ao participar da assinatura de contratos do programa Vila Dignidade, na tarde desta sexta-feira, 5, em Avaré, no sudoeste do Estado. Discursando de improviso sobre programas de seu governo, ele falou como se estivesse em fim de gestão: "Pegamos o Dose Certa com menos de 40 medicamentos e vamos deixar com mais de 70." Ao ser perguntado se deixaria o governo, corrigiu. "Eu quis dizer no período deste governo."

 

Esse não foi o único sinal de que o governador está prestes a anunciar sua pré-candidatura a presidente. Durante o evento que reuniu os idosos moradores do núcleo de Avaré, inaugurado no mês passado, Serra se comportou como candidato, abraçando os velhinhos e posando para filmagens de sua equipe de assessores. Ele chegou a se emocionar ao ouvir os agradecimentos de dona Josefina Rosalina Muniz, de 75 anos, uma das beneficiadas - um depoimento gravado pelos assessores. Ao lado do italiano Humberto Humberto Begnozzi, de 65 anos, lembrou a origem italiana e a infância pobre no bairro da Mooca, em São Paulo.

 

No discurso, o governador agradeceu os prefeitos presentes, beneficiados por novos núcleos do Vila Dignidade, entre eles a prefeita de Ribeirão Preto, Dárcy Vera (DEM), e o de São José do Rio Preto, Valdomiro Lopes (PSB) e falou de projetos do seu governo para a terceira idade. Lembrou que de 1980 para cá a população com mais de 60 anos no Estado aumentou 50%. Serra recorreu ao período em que foi ministro da Saúde, no governo de Fernando Henrique Cardoso para lembrar que instituiu a vacina contra a gripe, principalmente para idosos. "Diminuímos em 25% as internações por problemas respiratórios."

 

Citou ainda o programa Quero Vida, do seu governo, que instalará centros de convivência nas cidades e já tem a adesão de 42 municípios. "Vai para todos os lugares do Estado de São Paulo. Vocês veem que nossa preocupação é mais ampla." Para ele, o programa Vila Cidadania é a "joia da coroa" por ser uma iniciativa original, nova no Brasil. "Está plantada uma semente."

 

Ao antecedê-lo no palco montado no núcleo de casas, o prefeito de Avaré, Rogério Bachetti (PSDB), um dos coordenadores do partido no interior, seguiu um script de campanha. "O José Serra faz grandes obras como o Rodoanel, com economia de mão de ferro, mas o Zé gosta de cuidar de gente. É o homem do seguro-desemprego, que popularizou o coquetel antiaids, que peitou a indústria farmacêutica do mundo inteiro e criou o genérico, e que enfrentou os poderosos do tabaco." E arrematou, pedindo: "Zé, faz mais disso tudo pelo resto do País."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.