Divulgação
Divulgação

José Rainha Júnior é condenado a 31 anos de prisão

Ex-líder do MST é acusado de 3 crimes pela Justiça Federal de Presidente Prudente (SP)

Sandro Villar, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

23 Junho 2015 | 20h47

Presidente Prudente - O ex-líder do MST, José Rainha Júnior, foi condenado a 31 anos e cinco meses de prisão pela 5ª Vara da Justiça Federal de Presidente Prudente, no interior de São Paulo. Ele é acusado pelos crimes de extorsão, formação de quadrilha e estelionato. A sentença também ordena o pagamento de multa. Também foi condenado Claudemir Silva Novais, cuja pena é de cinco anos e seis meses de prisão.

Em 2011, Rainha foi investigado pela Polícia Federal na Operação Desfalque, que descobriu um esquema de extorsão de empresas e desvios de verbas para assentamentos rurais. Os réus, no entanto, poderão recorrer em liberdade, pois conseguiram a concessão de habeas corpus.

Os réus usavam trabalhadores rurais ligados ao MST como massa de manobra para invadir terras e exigir pagamentos de contribuições aos movimentos sociais, segundo a acusação do Ministério Público Federal (MPF). Uma das acusações é de que José Rainha teria cobrado e recebido R$ 50 mil e R$ 20 mil de duas empresas do agronegócio, respectivamente, para não invadir fazendas e queimar canaviais do Pontal do Paranapanema e da região de Paraguaçu Paulista. 

Ainda de acordo com os promotores, o ex-líder do MST teria exigido R$112 mil de uma concessionária de rodovias a título de ajuda solidária. Com isso, praças de pedágio não seriam depredadas pelos sem-terra.

FNL. O Estado procurou José Rainha para comentar a condenação, mas ele não foi localizado. Um dirigente da Frente Nacional de Luta (FNL), o grupo dissidente liderado por Rainha, disse que o movimento "vai analisar a situação". "Não descartamos uma manifestação de apoio a Rainha, vamos esperar um pouco", comentou o dirigente, que pediu anonimato.

Mais conteúdo sobre:
MST José Rainha Justiça Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.