José Dirceu critica atuação do MP e ataca imprensa

Com ataques ao Ministério Público Estadual de São Paulo e à imprensa, o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu respondeu à notícia divulgada pelo Estado de que está convocado a prestar depoimento em 4 de maio no inquérito que investiga o assassinato do prefeito Celso Daniel, de Santo André, em 2002. O petista, que teve seu mandato de deputado federal cassado no ano passado sob acusação de ter chefiado o mensalão, afirmou que não recebeu nenhuma notificação por estar sendo investigado e acusou o MP de se exceder, ao incluí-lo na investigação de um crime com o qual disse não ter envolvimento. Dirceu afirmou que o caso é inédito, pois o homicídio é investigado há quatro anos, e a corrupção no município há seis."Hoje, abri o jornal O Estado de S. Paulo e tomei conhecimento - já é a terceira entrevista do promotor público e eu não fui notificado - de que eu estou sendo investigado pela morte de Celso Daniel", afirmou para uma platéia de estudantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro.Segundo ele, o caso foi reaberto por imposição da família do prefeito assassinado, "e principalmente da mídia", com "parcela do Ministério Público de São Paulo". Dirceu também defendeu a decisão do ministro Nelson Jobim, do Supremo Tribunal Federal, que deu liminar suspendendo as investigações a seu respeito no caso, quando ainda não fora cassado. Dirceu também ironizou a atuação do promotor Roberto Wider Filho, que, segundo ele, "dá uma grande notícia". "Porque tem que fazer a ligação entre o José Dirceu que recebeu R$ 1,2 milhão, o assassinato de Celso Daniel, o valerioduto", disse. O ex-ministro também se queixou da suposta "perseguição" que estaria sofrendo, movida por parte da mídia. "Todo dia que levanto, eu me pergunto: primeiro me cassaram com ss e agora querem me caçar com ç?", destacou. Em tom exaltado, afirmou que "só no período da Oban, do Doi-Codi (órgãos de repressão da ditadura militar) a imprensa brasileira desceu tanto como está descendo neste momento na vida política do Brasil". Governo LulaNa palestra de 40 minutos no auditório do Centro de Filosofia e Ciência Humanas do campus da UFRJ na Praia Vermelha, Dirceu voltou a se dizer inocente das acusações de ter chefiado o mensalão. Disse ainda que a imprensa brasileira toma partido afirmou e acusou a mídia de tentar ajudar a derrubar o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Serra não fez campanha para prefeito, a imprensa o elegeu", disse."A pretexto de combater a corrupção - e existe muita corrupção na administração pública brasileira - e a pretexto de combater o caixa 2, conseguiu-se fazer uma aliança, soldar um bloco social e um bloco parlamentar para se opor ao governo Lula e para derrubá-lo", declarou, em palestra no seminário "Mídia da Crise ou Crise da Mídia?", promovido pela Escola de Comunicação e pela Rede Universidade Nômade. "Vocês acham que a Câmara não cassou ninguém por quê? Porque considera que caixa 2 não é crime. Se considerasse, tinha que cassar todos. Aliás, estive em um país dando uma palestra um mês atrás, onde me disseram que todo mundo faz caixa 2 e ninguém toca nesse assunto, porque faz parte da regra da democracia no país."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.