Soraya Ursine/Estadão
Soraya Ursine/Estadão

José de Abreu defende cusparada em casal que o ofendeu: 'Foi reação de um ser humano normal'

Durante o Domingão do Faustão, o ator também fez críticas ao processo de impeachment e chamou Eduardo Cunha de ladrão

O Estado de S. Paulo

24 Abril 2016 | 22h35

O ator José de Abreu utilizou o espaço do Domingão do Faustão para explicar a cusparada que deu num casal que o hostilizou enquanto jantava num restaurante japonês em São Paulo na noite de sábado. Segundo ele, 'foi reação de um ser humano normal'. José de Abreu também aproveitou para criticar o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, responsável pela abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e a quem o ator chamou de 'ladrão'. 

"A minha primeira reação, que foi de partir pra briga, eu consegui conter. Mas a segunda, eu não sei da onde veio, eu nunca cuspi em ninguém", afirmou o ator durante o programa. José de Abreu também disse não se arrepender da atitude, uma vez que não seria responsável por ela. "Dar uma cuspida numa pessoa que está desrespeitando você, a sua mãe e a sua mulher... Na hora não pensei em política. A única coisa que me veio na cabeça foi: por que nós não podemos conviver pacificamente nesse país pensando diferente?", explicou.

José de Abreu lembrou de outros episódios em que políticos ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT) foram hostilizados em público, como o ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, a senadora Gleisi Hoffmann e o ex-senador Eduardo Suplicy. "Grupos se juntam para hostilizar gente que pensa diferente", disse, em tom de desabafo. O mesmo não acontece, segundo o ator, com figuras que representariam a direita. "Você não vê ninguém importunar o Roger, que a gente sabe que é de direita, ou o Lobão. É só contra o nosso lado. É um ódio que foi incutido na cabeça das pessoas, como se nós fôssemos leprosos", esbravejou.

Impeachment. José de Abreu saiu em defesa da manutenção de Dilma na Presidência, mas fez duras críticas a Eduardo Cunha, responsável pela abertura do processo de impeachment. "O Cunha é ladrão! Então ele não pode 'impichar' a Dilma. É um negócio absurdo! Foram pedidos 130 anos de prisão para esse cara, como é que ele pode ser juiz da Dilma?", questionou.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do deputado afirmou que ele não vai se pronunciar sobre as declarações de José de Abreu "porque ele não merece e representa o despreparo dos petistas".

Confira o vídeo:

Assista ao vídeo do que aconteceu no restaurante:

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.