José Arruda se queixa de isolamento a arcebispo de Brasília

Desde a semana passada, governador licenciado do DF só recebia a visita da mulher Flávia, e de advogados

estadao.com.br,

23 de fevereiro de 2010 | 10h54

O governador licenciado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, queixou-se nesta terça-feira, 23, do "isolamento total até daqueles que eram seus amigos". O desabafo foi feito ao arcebispo de Brasília, dom João Braz de Aviz, durante a conversa que tiveram de manhã. De acordo com o arcebispo, Arruda recebe apenas a visita da esposa, Flávia Arruda. "O único contato dele é a esposa, uma vez que nem os amigos o visitam mais", disse à Agência Brasil.  Desde a semana passada, quando recebeu o secretário de Transportes, Alberto Fraga, Arruda só recebia a visita da mulher Flávia, e de advogados.

 

Veja também:

linkPara Gurgel, STF deve decretar intervenção

linkProcurador do DF é contra intervenção

linkDeputado do PT vai relatar impeachment

blog Bosco: Paulo Octávio vai desistir mesmo

especial Entenda a operação Caixa de Pandora

 

"A conversa que tive com ele foi de nível espiritual e religioso. É um momento difícil para ele, que acabou se tornando o símbolo de um problema político que vai além do caso específico e atinge toda cultura política errada de nosso país, que requer muito trabalho para ser modificada", acrescentou o arcebispo.

 

Segundo dom João Braz, a conversa não teve tom de julgamento do governador flagrado recebendo dinheiro em um vídeo. "Para isso tem o Judiciário e a Câmara Legislativa", argumentou. "Se (a gravação) for autêntica, servirá para analisar mais coisas e, sem perdermos o lado humano do caso, trabalharmos para que a corrupção em nosso país não continue se alastrando da forma como tem sido".

 

A conversa entre o arcebispo e o governador licenciado foi na cela onde Arruda encontra-se preso. "É uma cela normal, menor do que a outra, simples e discreta, com um conforto de padrão normal, ainda que sem banheiro", informou dom João.

 

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), reunida extraordinariamente no dia 11 de fevereiro, determinou a prisão preventiva de José Roberto Arruda, e de mais cinco pessoas, com o objetivo da preservação da ordem pública e da instrução criminal. A Corte determinou, ainda,o afastamento de Arruda do cargo de governador. Na mesma noite Arruda se apresentou à Polícia Federal.

 

Na quinta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF analisará o mérito do pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do governador afastado. Ele se encontra preso numa sala da Superintendência da Polícia Federal, sob a acusação de obstruir as investigações sobre o chamado "mensalão do DEM", esquema de corrupção do qual seria o mentor.

 

Com informações da Agência Brasil, atualizado às 11h47

Mais conteúdo sobre:
ArrudaDFarcebispoCPI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.