José Alencar deixa o PMDB

O senador mineiro e empresário José Alencar anunciou hoje, em Belo Horizonte, seu desligamento do PMDB, partido no qual ingressou em 1993. O parlamentar alegou que sua desfiliação, comunicada hoje mesmo ao Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), foi motivada pela falta de consideração com que teria sido tratado por membros da Executiva Nacional da agremiação, a qual ajudou a eleger, na convenção do dia 9 de setembro. "Fiquei decepcionado com o desapreço que a Executiva demonstrou", disse.Alencar foi peça-chave na eleição da chamada ala governista do PMDB ao comando nacional da legenda. Poucos dias antes da convenção, ele declarou apoio ao candidato do grupo à presidência nacional peemedebista, o deputado federal Michel Temer (SP), opondo-se ao senador Maguito Vilela (PMDB-GO), preferido na disputa pelo governador de Minas, Itamar Franco.Assim como o colega José Fogaça (RS), Alencar não teve qualquer respaldo dos comandantes do PMDB a suas pretensões de tornar-se presidente do Senado, em substituição ao paraense Jader Barbalho.Como também está rompido, em Minas, com os aliados de Itamar - o candidato de Alencar à presidência estadual do PMDB, Armando Costa, foi derrotado pelo do vice-governador Newton Cardoso, o deputado federal Saraiva Felipe, em uma disputa que rachou o partido - o senador não viu outra alternativa a não ser abandonar a legenda.Segundo Armando Costa, Alencar, que pode ser candidato ao governo mineiro ou mesmo a vice em alguma chapa presidencial, ainda não definiu em qual partido irá entrar, o que deve fazer até 5 de outubro, prazo final para as filiações. "Eu e muitos companheiros do senador também estamos saindo", disse Costa.Nos últimos dias, o senador tem conversado com diversos partidos, entre eles o PL - um dos mais cotados para sua filiação - , o PSB, o PPS e o PT. Um indicador do destino de Alencar pode ser dado na segunda-feira, quando o prefeito de Belo Horizonte, Célio de Castro (ex-PSB), anuncia o partido no qual ingressará.Célio e Alencar já manifestaram em diversas ocasiões o plano de caminharem juntos nas próximas eleições, apoiando o petista Luís Inácio Lula da Silva na campanha presidencial. A presença do senador como vice na chapa do PT, independente do partido em que esteja, também é uma possibilidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.