José Alencar critica mudanças no ICMS e sugere imposto único

O vice-presidente José Alencar criticou hoje a proposta de cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) somente no destino, como parte da reforma tributária a ser enviada ao Congresso pelo governo federal. Alencar, que defende a simplificação do sistema tributário brasileiro, classificou como "uma bobagem, uma besteira muito grande" a idéia e disse que, nesse caso, prefere a adoção de um imposto único. A possibilidade de alteração da cobrança do ICMS é um dos pontos mais polêmicos da reforma e a tributação dos produtos no Estado onde ele é consumido, e não onde é produzido, sofre forte resistência de Estados como São Paulo e Minas Gerais, que estimam grandes perdas com a mudança. Para o vice-presidente, destino significa a "última operação de venda ao consumidor". "Não destino como eles estão falando na reforma, que é, por exemplo, ao invés de ser pago no estado produtor ser pago no estado consumidor. Isto, na minha opinião, e estou falando aqui como cidadão e não como vice-presidente, é uma bobagem, uma besteira muito grande. Ou nós adotamos o caminho clássico ou nós vamos inventar", afirmou Alencar."Já que é uma medida absolutamente heterodoxa, uma medida nova, ela seria então imposto único. Já que nós vamos mutilar então os caminhos clássicos, então vamos adotar o imposto único", sugeriu o vice-presidente, que acredita que a equipe econômica do governo levará em consideração a sua opinião. "Estou torcendo para que a emenda não saia pior do que o soneto".

Agencia Estado,

13 de abril de 2003 | 17h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.