Alan Santos/PR
Alan Santos/PR

Jornalistas relatam agressões durante passeio de Bolsonaro por Roma

Equipes de reportagem relataram empurrões e agressões verbais ao acompanhar caminhada do presidente, que foi à Itália para participar de cúpula do G-20; associações de imprensa, veículos e políticos repudiam o episódio

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2021 | 17h58
Atualizado 31 de outubro de 2021 | 20h50

Jornalistas brasileiros que acompanhavam o presidente Jair Bolsonaro em Roma, onde ele participou da Cúpula de Líderes do G-20, relataram ontem agressões por parte da equipe de segurança do chefe do Executivo. As hostilidades aconteceram, conforme os relatos, antes e durante uma caminhada improvisada de Bolsonaro com apoiadores que se reuniram frente à embaixada do Brasil. 

De acordo com o Uol, nenhum dos policiais explicou se fazia parte da embaixada brasileira, da Itália ou se eram privados. Os relatos afirmam que havia tanto italianos quanto brasileiros no grupo que fazia a proteção do presidente.

Segundo os relatos, Bolsonaro acenou, do alto de uma sacada da embaixada, para os simpatizantes que carregavam cartazes de apoio ao governo. Depois, desceu para falar com o grupo. Durante a espera pelo presidente, uma jornalista da Folha de S.Paulo foi empurrada por seguranças e uma produtora da GloboNews foi hostilizada pelos manifestantes.

Ao indicar que faria uma caminhada pelo bairro, Bolsonaro foi seguido por equipes de reportagem. Neste momento, jornalistas passaram a ser empurrados pelos seguranças e houve agressões. Um profissional da TV Globo disse ter recebido um soco no estômago. Os veículos que presenciaram o momento foram impedidos de gravar. O celular de um jornalista do Uol foi jogado na via. Repórteres do jornal O Globo e da BBC Brasil relataram agressões verbais.

Com a confusão, a caminhada durou pouco menos de dez minutos e Bolsonaro voltou à embaixada. Os jornalistas estavam com credenciais e identificações no momento das agressões.

Associações de imprensa, veículos e políticos repudiam o episódio

Em nota, a Globo diz que condena as agressões e exige uma “apuração completa de responsabilidades”. “É a retórica beligerante do presidente Jair Bolsonaro contra jornalistas que está na raiz desse tipo de ataque. Essa retórica não impedirá o trabalho legítimo da imprensa”, diz o texto. A Folha de S.Paulo e o Uol também repudiaram o episódio. "Mais um inaceitável ataque da Presidência Jair Bolsonaro à imprensa profissional", escreveu o jornal. 

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) chama atenção para a "escalada perigosa" de ataques como o que ocorreu hoje. "A Abraji repudia mais esse ataque à imprensa envolvendo a maior autoridade do país. Ao não condenar atos violentos de seus seguranças e apoiadores a jornalistas que tão somente estão cumprindo seu dever de informar, o presidente da República incentiva mais ataques do gênero, em uma escalada perigosa e que pode se revelar fatal", diz a nota divulgada na noite deste domingo.

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) também divulgou nota em que repudia o ocorrido. "A violência contra os jornalistas, na tentativa de impedir seu trabalho, é consequência direta da postura do próprio presidente, que estimula com atos e palavras a intolerância diante da atividade jornalística", diz a entidade, que também cobra apuração e a devida punição dos culpados.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que foi vice-presidente da CPI da Covid, criticou o ato em uma rede social. “Atitude típica de ditadores covardes! Bolsonaro e seus capangas são leões contra a imprensa livre e jornalistas. Mas são mansinhos contra os esquemas de corrupção promovidos pelo Centrão e seu governo!”, escreveu. O relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), também registrou o seu repúdio: "Ignorado pelos líderes, (Bolsonaro) virou piada na mídia mundial e partiu para a ignorância".

O Palácio do Planalto não se manifestou.

Tudo o que sabemos sobre:
G-20Jair Bolsonarojornalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.