Jornalistas não viajam com Lula à China

Os jornalistas que acompanhariam o presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, e outras dez pessoas ligadas ao partido na viagem à China não conseguiram o visto necessário para entrar no país e acabaram ficando no Brasil.As versões que explicam o impedimento do embarque são conflitantes. A comitiva viajou a convite do Partido Comunista.O grupo saiu de São Paulo no domingo e nesta segunda-feira estava em Frankfurt, na Alemanha.A chegada a Pequim está prevista para as 8h25 de de quarta, pelo horário de Brasília. A assessoria de imprensa da presidência do partido informou que a agenda da viagem só será conhecida em detalhes nesta quarta. Representantes da Embaixada da República Popular da China no Brasil explicaram que, quando o PT recebeu o convite, deveria indicar 11 pessoas para a viagem e informar quem eram os jornalistas que acompanhariam o evento.Os jornalistas foram comunicados de que o partido não fez essa indicação. A direção do PT informou que ninguém, em nenhum momento, solicitou os nomes dos profissionais de imprensa. Essa relação seria necessária pelo fato de os jornalistas, de acordo com a embaixada, só poderem entrar no país mediante convite de entidades ligadas à imprensa chinesa, como a federação nacional de jornalistas e a Agência de Notícias Nova China, ou mesmo jornais, emissoras de rádio e televisão.Dirigentes do PT culparam a desorganização dos jornalistas e a demora na solicitação da documentação. "Os jornalistas estavam pedindo o visto a menos de 15 dias da saída do Brasil", alegou o secretário de Relações Internacionais do PT, deputado federal Aloízio Mercadante (SP).O parlamentar afirmou que são necessários 30 dias para a emissão de visto quando se vai à China para trabalhar, como seria o caso do grupo que cobriria o evento. As informações, tanto na embaixada, quanto no consulado de São Paulo, são de que é possível tirar o visto em até 24 horas.Teria faltado, portanto, que membros do PT interviessem junto ao embaixador chinês. Dirigentes do partido disseram que não houve tempo para isso."Isso é um problema dos chineses. O PT não tem nada com isso", afirmou o deputado federal José Genoíno. "Nós defendíamos a presença da imprensa. Só não pagamos porque não era possível. Parte da viagem foi paga pelo PT e parte pelo governo chinês." Fontes no Itamaraty disseram que, informalmente, houve uma tentativa de auxiliar os jornalistas, mas não foi possível. Um secretário destacou que as relações entre os dois países são consideradas excelentes e não se acredita que tenha ocorrido algum impedimento por parte do governo chinês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.