Jornalistas do 'Estado' recebem no Rio prêmio Esso de jornalismo

Cerimônia agraciou na categoria principal equipe do jornal que produziu a reportagem 'Farra do Fies'

Clarissa Thomé , O Estado de S. Paulo

13 Novembro 2015 | 02h02

RIO - Os jornalistas do Estado Paulo Saldaña, Rodrigo Burgarelli e José Roberto de Toledo receberam na noite de ontem o Prêmio ExxonMobil de Jornalismo de 2015, o mais tradicional da imprensa brasileira, em sua 60.ª edição.

Os jornalistas ganharam o prêmio na categoria principal pela reportagem Farra do Fies, que investigou os gastos do governo federal com o Financiamento Estudantil (Fies).

Foi o segundo ano consecutivo em que o Estado recebeu o prêmio principal. Em 2014, o jornalista Leonencio Nossa foi agraciado pelo especial Sangue Político.

"Encaramos os três prêmios concedidos hoje (ontem) como um reconhecimento do empenho do Estadão em conciliar a prioridade à reportagem, centro do nosso trabalho, com as novas narrativas, baseadas no jornalismo de dados", disse Cida Damasco, editora-chefe do Estado.

Este ano, o Estado foi premiado ainda em outras duas categorias: Fotografia, com a imagem feita por Dida Sampaio da presidente Dilma Rousseff pedalando em frente a uma placa com a inscrição "Lava Jato Planalto"; e Regional Sudeste, com o especial Favela Amazônia, feito em parceria por Leonencio Nossa e Dida Sampaio, sobre o avanço do tráfico de drogas e da criminalidade na Região Norte.

A reportagem Farra do Fies mostrou que o investimento federal no programa aumentou 13 vezes entre 2010 e 2014. No entanto, o ritmo do crescimento de matrículas nas faculdades particulares caiu - a média anual passou de 5% entre 2003 e 2009, para 3% de 2010 até 2013. O trabalho apontou ainda que com as novas regras do Fies as transferências de recursos da União para grupos de educação subiram. Em 2010, não havia nenhuma empresa de educação entre as 70 que mais recebiam do governo federal. Já em 2014, sete figuraram nessa lista.

Toledo ressaltou a "ousadia" dos jurados, que pela primeira vez concederam o prêmio principal para uma reportagem sobre educação e para o jornalismo de dados. "É a primeira vez que o jornalismo de dados ganha o prêmio mais importante do jornalismo brasileiro. A equipe do Estadão Dados, especialmente Rodrigo Burgarelli, precisou escrever em código antes de escrever uma palavra em português. Entrevistamos milhões de registros do Orçamento Geral da União e do Censo da Educação Superior. Aos dados se juntaram as histórias de alunos e escolas, tão bem apuradas e contadas por Paulo Saldaña. Sem a junção da técnica com o conhecimento, sem combinar a análise estatística com a experiência profunda em educação, a farra do Fies existiria, mas sua história não", afirmou.

No total, 13 trabalhos foram agraciados nesta edição do ExxonMobil, que até o ano passado se chamava Prêmio Esso. A figura do repórter recebeu distinção de Melhor Contribuição à Imprensa. A TV Folha recebeu o reconhecimento de Melhor Contribuição ao Telejornalismo pela reportagem Boyhood Bolsa Família, que acompanhou, por 10 anos, famílias beneficiadas pelo programa.

Mais conteúdo sobre:
Prêmio Esso

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.