Polícia Civil
Polícia Civil

Jornalistas de revista são detidos enquanto procuravam testemunha do caso capitão Adriano

Mesmo tendo se identificado e apresentado suas credenciais, os profissionais foram obrigados, sob a mira de armas, a saltar do carro onde estavam

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2020 | 20h05

O repórter Hugo Marques e o fotógrafo Cristiano Mariz, da revista Veja, foram detidos por policiais na manhã desta sexta-feira, 14, em Pojuca (BA), litoral norte baiano. Segundo a revista, eles tentavam achar a casa de Leandro Guimarães, pecuarista e dono da fazenda onde Adriano da Nóbrega se escondia, quando foram abordados por policiais militares que chegaram em dois carros. Mesmo tendo se identificado e apresentado suas credenciais, foram obrigados, sob a mira de armas, a saltar do carro onde estavam.

Os agentes ordenaram que levantassem as mãos e abrissem as pernas, para serem revistados. Os PMs queriam saber como a equipe descobrira o endereço. Após a revista, os policiais apreenderam um gravador com entrevistas gravadas e ordenaram que os jornalistas os seguissem até a delegacia policial da cidade.

Eles foram interrogados por policiais civis. Depois de 20 minutos, o gravador foi devolvido, e os profissionais, liberados. Um policial explicou que a detenção foi por motivo de segurança: a equipe estava perto da casa de uma testemunha do caso Adriano. O Estado visitou o local onde a equipe da Veja foi detida, pouco após a detenção. 

Em nota, a direção da revista "lamenta a postura autoritária da Polícia Militar da Bahia". "Os dois profissionais de VEJA estavam apurando informações relacionadas ao caso da morte do ex-capitão Adriano da Nóbrega quando foram detidos por dois agentes e levados na sequência ao distrito policial de Pojuca, de onde acabaram sendo liberados após vinte minutos. A direção da Editora Abril estuda as medidas cabíveis contra essa atitude de tentar constranger e limitar o trabalho da livre imprensa. A direção da redação de VEJA, por sua vez, como sempre fez ao longo de seus mais de cinquenta anos de história, não vai se intimidar com ameaças e medidas arbitrárias – e seguirá firme no seu compromisso de busca da verdade, doa a quem doer."

A Secretaria da Segurança Pública informou que moradores de uma localidade em Pojuca "ligaram para polícia informando que homens, dentro de um carro, Gol, placa de Belo Horizonte, estavam rondando a região. A PM foi acionada, abordou o grupo e fez a condução até a Delegacia Territorial. Após se identificarem como jornalistas, foram liberados. Nenhum equipamento foi danificado, alterado ou ficou apreendido".

Em nota, a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) repudiaram a ação abusiva da PM da Bahia e classificaram a ação de "iniciativa arbitrária" e "um claro atentado contra a liberdade de imprensa".

"A abordagem inicial aos dois jornalistas, quando duas viaturas da PM cercaram Marques e Mariz, a detenção dos profissionais por cerca de 20 minutos e, ainda, a apreensão temporária de um gravador com várias entrevistas são atitudes injustificáveis. Os fatos são ainda mais alarmantes porque ocorreram após os repórteres terem se identificado e mostrado suas credenciais de imprensa", denunciaram.

As associações afirmaram ainda que aguardam que as autoridades apurem os fatos com rigor.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.