Jornalistas da CBN Curitiba paralisam por denúncia de assédio

A emissora só funionou no período da tarde. Pelo menos três profissionais anunciaram demissão nos últimos dias

O Estado de S. Paulo

06 de agosto de 2013 | 00h08

O departamento de jornalismo da rádio CBN de Curitiba paralisou as atividades na manhã desta segunda-feira, 5, para pedir providências contra um dos profissionais acusado de assédio sexual. O comentarista esportivo Airton Cordeiro é apontado pelos colegas de ter dirigido "palavras grosseiras" a uma estagiária do jornalismo e a outras quatro recepcionistas da empresa, segundo jornalistas. Cordeiro disse ser vítima de uma "campanha sórdida" para que saia da rádio.

A CBN Curitiba só voltou a funcionar no período da tarde. O jornalista Marcos Tosi, apresentou o programa e ao final leu um comunicado informando que a direção da empresa tomaria providências para apurar o caso e que não haveria represálias. No entanto, logo após sair do ar, Tosi também anunciou sua demissão pelo Facebook.

O diretor de jornalismo e âncora do programa matinal da CBN Curitiba, José Willie, já havia anunciado sua demissão na última quinta-feira. Na mensagem, ele limitou-se a agradecer à equipe. Na manhã desta segunda-feira, o jornalista Alvaro Borba, âncora do programa da tarde e eventual substituto de Wille, também anunciou no Facebook sua demissão.

O impasse entre jornalistas e a direção da empresa teve repercussão nas redes sociais. O Sindicato dos Jornalistas do Paraná esteve na empresa, conversou com os profissionais e emitiu nota à direção da empresa exigindo a apuração do caso.

O acusado de assédio, Airton Cordeiro, tem 70 anos e foi deputado federal constituinte entre 1987 e 1991. Ele disse ser alvo de uma "campanha sórdida" para que saia da rádio, uma vez que foi contratado diretamente pelo dono da empresa, Joel Malucelli, sem o aval do departamento de jornalismo.

Cordeiro disse ainda ter problemas pessoais com o ex-diretor de jornalismo José Wille e que contratou um escritório de advocacia para defendê-lo das acusações e processar os seus acusadores. 

Desculpas.  A Direção da CBN Curitiba divulgou nota no final da tarde desta segunda-feira, pedindo desculpas aos ouvintes em função da greve dos funcionários que tirou do ar a programação matutina.

"Fomos surpreendidos por uma denúncia de suposto assédio na emissora, o que causou o imediato e definitivo afastamento do colaborador envolvido. Dada a importância que o assunto merece, foi tratado com todo zelo e sigilo necessários. Todos os fatos foram esclarecidos em reunião ocorrida na manhã de hoje (segunda), com a presença do Sindijor-PR, tendo tudo ficado resolvido a contento com o imediato retorno dos funcionários as suas atividades, devidamente chancelados pelo sindicato. Esclarecemos que não demitimos nenhum colaborador em razão do ocorrido, a exceção do afastamento já citado".

Tudo o que sabemos sobre:
CBNassédioCuritiba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.