Jornalista que fez lipoaspiração sai do coma profundo

A jornalista Renata Siqueira Rodrigues Nacif, de 21 anos, que entrou em coma há 13 dias, depois de ser submetida a uma cirurgia plástica, teve melhora no quadro neurológico e saiu do coma profundo nesta terça-feira. De acordo com os médicos, Renata abriu os olhos espontaneamente, o que é indício de coma superficial. O marido da jornalista, o comerciante Eduardo Nacif, disse que a família está esperançosa, mas até agora ninguém sabe o que ocorreu com Renata.Segundo a assessoria da Policlínica de Botafogo, o fato de Renata ter despertado sozinha, sem ajuda externa, não significa que a jornalista tenha acordado, porque ela ainda não interage.Eduardo Nacif disse que a mulher continua respondendo somente a estímulos de dor. ?Achamos que ela tem audição porque coloquei uma fita com o choro da nossa filha para ela ouvir e os batimentos cardíacos aceleraram, mas na verdade tudo é uma incógnita?, disse Nacif.Renata internou-se na Policlínica no dia 15 para submeter-se a uma lipoaspiração na barriga e nas costas, quatro meses depois de ter dado à luz uma menina, Eduarda. Ela foi operada pelo médico Ricardo Cunha, membro-titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. No fim da cirurgia, Renata sofreu uma hipossistolia ? o coração passou a bombear fracamente o sangue ? e foi submetida a procedimentos de ressuscitação. Ela não acordou mais.A jornalista tentava fazer uma lipoaspiração desde que a filha tinha 45 dias de vida. Três médicos, inclusive Ricardo Cunha, se recusaram a operar Renata naquele momento. Ela voltou ao consultório de Cunha um mês mais tarde. Segundo o médico, ela teria omitido três pontos durante os exames pré-operatórios: que teve um quadro de pré-eclâmpsia durante a gravidez, tomava remédios para emagrecer e que continuava amamentando sua filha. Cunha não soube explicar o que aconteceu a paciente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.