Jornalista inglesa pode não ter pneumonia, diz ministro

O ministro da Saúde, Humberto Costa, afirmou hoje ser provável que a jornalista inglesa internada em São Paulo tenha uma infecção bacteriana, e não a Síndrome Respiratória Severa Aguda (SARS, por sua sigla em inglês), conhecida como pneumonia asiática, que já matou 64 pessoas em todo o mundo. Já foram registrados 1.804 casos da doença. Humberto Costa disse que já foram colhidos os materiais para o exame da jornalista e que o diagnóstico deve ser concluído nos próximos dois dias. O ministro afirmou que é muito difícil evitar que casos da doença cheguem ao Brasil.Ele ressaltou que nenhum país do mundo proibiu vôos procedentes das localidades onde a epidemia foi registrada. Disse também que não faz sentido fazer exame em todos os passageiros, mas assegurou que o País está tomando todas as medidas adequadas para evitar a ocorrência da doença, de acordo com as recomendações feitas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).Segundo o ministro, para evitar uma epidemia no País, é necessário sistema de alertas nos aeroportos, detecção precoce dos casos e contenção imediata da doença. Ele informou ainda que equipes do Ministério da Saúde foram convocadas, desde que o sistema de alerta foi implantado, para ficar 24 horas nos aeroportos internacionais. Humberto Costa pediu também para as pessoas adiarem viagens marcadas para a China, principalmente para os locais onde ocorrem casos de pneumonia virótica. Além disso, afirmou, passageiros que chegarem ao País em aviões procedentes de regiões onde ocorreram casos da doença e apresentarem sintomas terão "imediato atendimento diferenciado" e serão isolados. "É obrigação do piloto do avião, em qualquer situação em que identificar alguém com algum sintoma de doença no vôo, comunicar de imediato à Vigilância Sanitária no aeroporto", esclareceu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.