José Patricio/Estadão
José Patricio/Estadão

Jornalista e escritor Audálio Dantas morre aos 88 anos

Na profissão desde 1954, Dantas lutava contra um câncer no intestino e faleceu em São Paulo

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 19h19

SÃO PAULO - O jornalista e escritor Audálio Dantas morreu nesta quarta-feira, 30, aos 88 anos, no Hospital Premier, em São Paulo, onde estava internado desde abril. Ele lutava contra um câncer de intestino desde 2015.

+ Audálio Dantas: 'Podemos escrever como ficcionistas, mas não fazer ficção'

Entre 1975 e 1978, Dantas foi o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo. No período, foi uma das vozes mais contundentes contra o assassinato do jornalista Vladimir Herzog, morto sob tortura no Doi-Codi, contrariando a versão oficial do governo, que falava em suicídio.

Dantas é considerado o principal responsável por transformar o sindicato da categoria em um órgão de oposição à violência estatal e de defesa dos Direitos Humanos. "Foi um grande lutador social, com várias facetas. A democracia brasileira é devedora de Audálio. Nesse momento delicado da nossa democracia, ele fará muita falta. Foi um homem de coragem em um momento de sombras. Ele é uma referência", disse Martim Sampaio, Coordenador da Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP. 

Alagoano, nascido na cidade  de Tanque D’Arca, Audálio começou sua carreira em 1954 como repórter do jornal Folha da Manhã (atual Folha de S.Paulo). Ele foi chefe de reportagem de O Cruzeiro e também trabalhou em publicações como Quatro Rodas, Veja, Realidade, Manchete e Nova.

Acervo Estadão: Lições do papel de repórter

Como escritor, lançou diversos livros, entre eles As duas Guerras de Vlado Herzog (2012), vencedor do Prêmio Jabuti, Tempo de Reportagem (2012) e O Menino Lula (2009)

Dantas foi o primeiro presidente eleito por voto direto da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). Em 1979, foi eleito deputado federal de São Paulo pelo antigo MDB e era parte do conselho consultivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

Em 1981, recebeu o Prêmio de Defesa dos Direitos Humanos da ONU por sua atuação em prol da defesa dos direitos humanos. 

O velório será realizado a partir das 22h no Hospital Premier, Av. Jurubatuba, 481, na Vila Cordeiro, e prossegue na quinta, a partir das 11h, no Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, na Rua Rego Freitas, 530. 

Mais conteúdo sobre:
Audálio Dantas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.