Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Jornalismo de excelência requer diálogo com o leitor

Editores do 'Estado' destacam exemplos da Transformação Digital em evento na FAAP

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2019 | 13h33

Editores do Estado reafirmaram nesta quinta-feira, 7, o compromisso com o jornalismo de excelência, no DNA do jornal desde sua fundação, em conjunto com o diálogo direto com o leitor, cada vez mais no centro do processo jornalístico. É fundamental, afirmam, entregar o conteúdo na forma e no momento em que o leitor precisa. Em debate na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), eles apresentaram exemplos de trabalhos realizados no âmbito da Transformação Digital pela qual passa o jornal.

João Gabriel de Lima, editor executivo de jornalismo e audiência do Estado e professor do curso de Jornalismo da FAAP, afirmou que o diálogo permanente com o leitor é hoje um dos objetivos. Como exemplo, destacou as lives, entrevistas ao vivo com especialistas em que a audiência pode participar com perguntas. “É uma novidade do ponto de vista interativo, como se o leitor pudesse fazer parte da reportagem.” Como exemplo, citou a cobertura dos protestos no Chile, a eleição na Argentina e o óleo nas praias do Nordeste.

Os bastidores da notícia também são uma novidade para dar mais transparência para a produção jornalística, afirmaram os debatedores. Em um dos exemplos citados, a fotógrafa Gabriela Biló contou, num vídeo, como fez a famosa imagem de capa que viralizou nas redes sociais - aquela em que o presidente Jair Bolsonaro aponta o dedo para o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. O vídeo foi exibido no Drops Estadão - iniciativa pioneira de jornalismo para o Instagram, que acaba de completar dois anos - e depois se espalhou por outras redes sociais.

O Drops também foi palco da cobertura da Conferência do Clima em Nova York, nos Estados Unidos, e da greve global do clima, cujo engajamento é grande em especial para usuários de redes sociais. "Foi uma cobertura que trouxe muitos seguidores", afirmou João Gabriel.

A diretora de estratégias digitais do Estado, Luciana Cardoso, afirmou que mudanças na rotina de trabalho têm propiciado bons resultados, como a inserção de profissionais de outras áreas nas reuniões de pauta. "É um trabalho muito mais próximo para que o jornalismo seja feito como o leitor precisa."

A coordenadora de planejamento do Estado e coordenadora do LabJor FAAP, Luciana Garbin, disse que esse é um dos momentos mais pulsantes e de oportunidades para o jornalismo. "Nesse momento todo mundo é importante, qualquer ideia. Isso é muito enriquecedor", disse. Segundo ela, tem mudado a forma de o jornal buscar o leitor, com diferentes formatos e plataformas, sem nunca perder o foco na qualidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.