Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

'Jornalismo contribui para o País e a democracia quando eleva a qualidade do debate público'

Na abertura do Summit Brasil - O que é poder?, o diretor-presidente do Grupo Estado, Francisco Mesquita Neto, diz que nunca o poder foi tão repartido como na era digital

Adriana Ferraz e Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2019 | 10h41

Estado promove nesta quarta-feira, 30, em São Paulo, o Summit Brasil - O que é poder?, para debater no atual contexto político o que é o poder. Na abertura, o diretor-presidente do Grupo Estado, Francisco Mesquita Neto, destacou que o objetivo do evento é reunir pensadores que possam discutir a nova relação do poder, em suas várias formas, e a sociedade, principalmente após a disseminação das novas tecnologias de comunicação e de interação.

"Hoje, o jornal O Estado de S.Paulo é uma plataforma de notícias e de debate comprometida com a busca de um futuro melhor para o Brasil. Somos assim desde nossa fundação, em 1875, quando o Estadão, então A Província de São Paulo, opôs-se ao Império e à escravidão", disse.

Mesquita Neto destacou que os valores do Grupo Estado são liberdade, democracia, independência e credibilidade. "Nossa credibilidade nos permite agir com independência no intuito de promover a democracia e sempre com o olhar para o futuro. Tal olhar é um olhar otimista se entendermos que otimismo não é apenas esperar o melhor, mas contribuir efetivamente para o que melhor aconteça. Acreditamos que o jornalismo contribui para a melhoria do País e para a democracia quando eleva a qualidade do debate público."

Para o diretor-presidente do Grupo Estado, nunca o poder foi tão repartido como na era digital e nunca foi possível levar o debate público para tanta gente como hoje.

"O Estadão atinge mais de 27 milhões de pessoas mensalmente com suas plataformas. A essência da nossa atividade hoje, como no passado, é produzir jornalismo de excelência. A tecnologia digital nos permite entregar esse jornalismo dentro da jornada do leitor, em diálogo permanente com ele nas mais diversas plataformas: impresso, vídeos, podcasts, textos, eventos, como esses, lives, redes sociais", ressaltou.

Seja qual for a forma da notícia, Mesquita Neto reforçou que o "jornalismo contribui para o debate público quando estabelece os fatos incontestáveis sobre os quais se assenta a conversa inteligente, quando se posiciona em relação a eles, quando identifica as vozes que buscam o debate de alto nível e coloca essas vozes em contato".

Mesquita Neto destacou que essas vozes não são apenas dos políticos eleitos, mas de toda a sociedade, que precisa debater o poder como em eventos como o Estadão Summit Brasil por uma República cada vez mais democrática.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.