Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Jorge Picciani passará por cirurgia na terça-feira

Alvo de condução coercitiva no dia 29, o presidente da Alerj será submetido a procedimento para retirada de tumor na bexiga

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2017 | 19h21

RIO – O presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), passará por cirurgia na terça-feira, 11, para retirar um tumor na bexiga, informou na tarde desta quinta-feira, 6, a assessoria de imprensa do parlamento. O período de licença após o procedimento será definido apenas após uma biópsia no tumor.

Picciani foi alvo de condução coercitiva no último dia 29 dentro da Operação Quinto do Ouro. Os investigadores tentam desmontar um suposto esquema de pagamentos de vantagens indevidas, que pode ter desviado valores de contratos de órgãos públicos para agentes do Estado, em especial membros do Tribunal de Contas e da Assembleia Legislativa do Estado do Rio. Cinco dos sete conselheiros do tribunal foram presos.

Segundo a Polícia Federal, a ação foi desencadeada a partir das delações do ex-presidente do Tribunal de Contas e atual conselheiro Jonas Lopes de Carvalho e de seu filho, alvo da Operação Descontrole, de dezembro do ano passado. 

Existem suspeitas envolvendo Picciani de que contratos entre o governo e a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro renderam propinas a agentes públicos, além de uso indevido de fundo do TCE para pagar empresas de alimentação.

Cacique. Desde o início do ano, Picciani assumiu protagonismo nas movimentações políticas para uma saída para a crise financeira do Estado do Rio. O cacique do PMDB fluminense articulou uma recomposição da base do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) na Alerj e conseguiu aprovar a privatização da Cedae, estatal de águas e esgoto, um primeiro passo do plano de recuperação fiscal firmado com o governo federal em janeiro. Segundo a nota da Alerj, o médio de Picciani, o oncologista Luiz Carlos Villas Boas, “acredita que será um procedimento relativamente simples, através de videolaparoscopia, com duração média de quatro horas”. “O tempo de recuperação - e a sua licença da Alerj - só serão definidos posteriormente à biópsia que será feita após o procedimento cirúrgico”, diz a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.