Jorge Murad está de licença desde que foi nomeado

O secretário extraordinário de Ciência e Tecnologia do Maranhão, Jorge Murad, que pediu à Justiça Federal o reconhecimento do foro especial no inquérito Usimar, ainda não exerceu a função. Nomeado pelo governador José Reinaldo Tavares (PFL) no mesmo dia da sua posse, 5 de abril, Murad entrou de licença médica no dia seguinte. A informação foi dada pelo governador José Reinaldo, que não soube explicar qual a doença alegada no pedido de licença. Como a licença não é por motivos pessoais, Murad continua recebendo o salário de secretário, cerca de R$ 7.300.A deputada estadual Helena Heluy (PT) entrou com uma representação contra a nomeação de Murad junto ao Ministério Público Estadual. Ela alega que o fato de a Secretaria de Ciência e Tecnologia não existir torna o ato nulo. E questiona a constitucionalidade da lei estadual 7.356, de 1998, que cria genericamente até seis cargos de secretários extraordinários, cujas funções só serão determinadas no ato da nomeação pelo Executivo. A representação está sendo analisada pelo promotor de Patrimônio Público, Danilo Castro, que ainda não se posicionou sobre o caso.Nesta semana, o advogado Vinícius de Berredo Martins entrou com o pedido de reconhecimento do foro especial de Murad no inquérito criminal, instaurado na Polícia Federal, que apura o desvio de R$ 44 milhões liberados pela extinta Sudam como primeira parcela do financiamento do fracassado projeto Usimar, no Maranhão. Se o foro for reconhecido, todos os investigados, inclusive Roseana, serão beneficiados com a transferência de jurisdição para o Tribunal Regional Federal.Murad nunca chegou a ficar desamparado. Anunciou publicamente o afastamento do cargo de gerente de Planejamento do Estado no dia 12 de março, mas só foi exonerado no dia 27. A partir de então ficou protegido pelo foro solidário da então governadora e esposa Roseana Sarney (PFL). No mesmo dia em que Roseana renunciou ao governo e foi substituída por José Reinaldo, Murad foi nomeado secretário extraordinário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.