Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Joice Hasselmann diz que responsáveis por indicação de filho de Mourão devem ser cobrados

Deputada federal eleita do PSL ressaltou que o presidente Jair Bolsonaro e o governo não devem ser cobrados, mas sim o vice-presidente e a presidência do Banco do Brasil

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2019 | 21h38

BRASÍLIA - A deputada federal eleita Joice Hasselmann disse nesta quarta-feira, 9, que os responsáveis pela promoção do filho do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, devem ser cobrados, e não o presidente Jair Bolsonaro nem o governo. Na terça, conforme revelou o Estadão/Broadcast, o novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, nomeou Antônio Hamilton Mourão como assessor especial, cujo salário é três vezes maior do que a função anterior que desempenhava no banco público.

"A mensagem não é do governo, a mensagem tem de ser cobrada do vice-presidente da República, não é o governo que está passando mensagem nenhuma. Não é o presidente da República, não dá para misturar. As pessoas têm responsabilidade pessoais pelos seus atos, o governo não pode ser responsabilizado. O presidente não pode se responsabilizar por decisão pessoal de A, B ou C, tem de cobrar aquele que é o responsável pelo ato", disse Joice.

Ela falou com a imprensa após reunião com Bolsonaro, no Planalto. Na conversa com jornalistas, a deputada eleita ponderou que é preciso verificar se houve uma perseguição ao filho de Mourão nas gestões anteriores, como foi afirmado pelo vice-presidente ao Estadão/Broadcast.

"Eu estou olhando todos os lados, o lado daqueles que estão dizendo 'olha, isso pode criar um problema, um desgaste' e o outro lado da história, de que ele ficou 18 anos em uma função, que ele tem MBA na área, e durante 18 anos ficou ganhando o mesmo salário em governos que não gostam muito da área técnica. Confesso que são duas coisas que estão pesando na minha balança. Será que ele não era perseguido antes? Por que sendo quadro técnico tão qualificado sempre ficou sem um reajuste esses 18 anos?", questionou a parlamentar eleita. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.