Jobim: Justiça definirá sobre envio de tropas ao Rio

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse hoje no Rio que a logística do emprego das Forças Armadas ao processo eleitoral na capital fluminense será definida pela Justiça Eleitoral. Ele afirmou que ainda não há data para o início da operação, já que o ministério ainda não recebeu o pedido oficial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Nós faremos o que determinar o Tribunal Eleitoral para o objetivo que o Tribunal determinar. As linhas gerais serão definidas pelo Tribunal e encaminhadas às Forças", afirmou. Segundo o ministro, o número de militares envolvidos também dependerá do pedido do TSE. "As tropas não escoltarão ninguém. Permanecerão nos ambientes que o Tribunal determinar. Elas não estarão a serviço dos candidatos, mas da pacificação do processo eleitoral", frisou Jobim.O ministro minimizou as críticas do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), ao Comando Militar do Leste, que não estaria disposto a colaborar com a segurança no Rio. "Não há conflito nenhum, a não ser uma divergência de opiniões. Agora o fato é que não compete às tropas federais atuar em segurança pública", afirmou Jobim. O ministro lembrou que o governo pretende enviar ao Congresso uma proposta de regulamentação do emprego do Exército na chamada "manutenção da lei e da ordem".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.