Jobim diz que Boeing não está segura em transferir tecnologia

Ministro da Defesa lembrou que nos EUA essas decisões são das secretarias da Defesa e de Estado

Wilson Tosta, de O Estado de S.Paulo,

05 de março de 2010 | 13h55

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, indicou nesta sexta-feira, 5, que o seguro oferecido pela Boeing para a transferência de tecnologia nos caças F-18 Super Hornet - que disputam licitação para renovação da frota de jatos de ataque da Aeronáutica brasileira - aumentou as dúvidas do Brasil no negócio. Segundo ele, a oferta, feita pela empresa, em carta, em novembro de 2009, demonstrou que a própria companhia americana não está segura em relação à transferência que promete fazer para ganhar a licitação, também disputada pela francesa Dassault (com o Rafale) e pela sueca Saab (com o Grippen).

 

"Estou examinando (a proposição)", disse Jobim, após aula magna na Escola de Guerra Naval (EGN). "Na hipótese de não haver transferência de tecnologia, oferecem o pagamento de 5% do valor da tecnologia a ser transferida. O que de um lado é interessante, mas de outro também é demonstração de que a própria Boeing não tem segurança. Porque o governo americano tem várias agências que decidem, inclusive o Congresso, que tem de aprovar essas transferências. O Congresso lá é muito forte." Ele lembrou que nos EUA essas decisões são das secretarias da Defesa e de Estado, além de dependerem de leis do Senado.

 

Jobim afirmou também que o Ministério da Defesa tomará uma posição no caso, em 20 dias. "Não é transferir para o presidente o ônus de escolher A, B, C. O que estou fazendo? Vou tomar uma posição. Vou dizer: olha, por isso, por isso, por isso, a melhor opção é xis", afirmou. O ministro esclareceu que sua posição não será necessariamente a mesma que a da Aeronáutica, que já mostrou preferir o avião sueco. "Será a posição do Ministério da Defesa. O que importa é a posição do Ministério da Defesa", disse.

 

Segundo Jobim, essa posição será discutida no Conselho de Defesa Nacional, órgão de aconselhamento do presidente da República, formada pelo próprio presidente, pelo vice-presidente, pelos ministros de Relações Exteriores, Defesa, Justiça e Planejamento e pelos presidentes da Câmara e do Senado. "A decisão final é do presidente", declarou. Jobim lembrou que, na aprovação da Estratégia Nacional de Defesa, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva também recorreu ao CDN.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.