Jobim diz que alerta de entidade internacional é 'jogo político'

Ministro rebate avaliação de órgão de controladores de que acidente é questão de tempo.

BBC Brasil, BBC

04 de outubro de 2007 | 16h45

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, classificou de "jogo político" a avaliação do presidente da Federação Internacional de Controladores de Tráfego Aéreo (Ifatca), Marc Baumgartner, de que "é uma questão de tempo" até que outro acidente aéreo aconteça no Brasil."Não podemos atribuir isenção alguma a este tipo de manifestação. Elas têm um objetivo político de criar um ambiente para resolver questões salariais", afirmou o ministro, em entrevista à Radiobras e suas emissoras associadas, nesta quinta-feira.Jobim respondia à pergunta de um jornalista sobre a reportagem da BBC Brasil em que o presidente da Ifacta critica a resposta das autoridades brasileiras à crise aérea.Baumgartner, que se reuniu com outros dirigentes da federação em Washington, disse que, desde os acidentes da Gol, no ano passado, e da TAM, neste ano, foi investida "muita energia" para punir os controladores e nenhuma para corrigir as falhas do sistema aéreo.Jobim, no entanto, insistiu que o sistema de aviação brasileiro é hoje seguro porque a segurança tem sido prioridade nas ações do governo na administração do setor."Temos a segurança do sistema, mas ainda não conseguimos ter a percepção das pessoas de que o sistema é seguro", afirmou Jobim. "Essa percepção se dará pela regularidade, pontualidade e pela eficácia do sistema."Um Inquérito Policial Militar (IPM), instaurado pela FAB na semana passada, indiciou cinco controladores, todos eles militares, por supostos erros que teriam levado ao desastre. O relatório aponta 11 erros dos controladores e falhas nos equipamentos que levaram, juntos, ao desastre.Além da autorização incompleta para a decolagem do Legacy, os operadores teriam cometido uma série de falhas de comunicação. Entre elas, teriam trocado informações incorretas a respeito da altitude em que o Legacy voava e deixado de trocar comunicação com os pilotos do Legacy por um longo período, no qual nem os controladores nem os pilotos observaram os procedimentos necessários.O IPM foi acolhido pelo Ministério Público Militar, mas a denúncia foi rejeitada pela juíza Zilah Maria Petersen, da 11ª Circunscrição Judiciária Militar, em Brasília, que a considerou "inepta" por não especificar as regras de conduta militar violadas pelos controladores.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.