Jobim discute sigilo do voto do eleitor

O escândalo da violação do painel de votação do Senado, envolvendo os senadores Antônio Carlos Magalhães (PFL/BA)e José Roberto Arruda (sem partido/DF) motivou o Ministério da Justiça a convocar os partidos políticos para discutir mecanismosde prevenção a fraudes eletrônicas na eleição de 2002.?A violação do painel tem efeito capilarizante e expansivo. Isto pode levaras pessoas a intuir a possibilidade de violação também das urnas eletrônicas?, disse nesta sexta-feira o ministro Nelson Jobim, durantesimpósio sobre informatização dos serviços do governo, realizado no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).O ministro está agendando reuniões com os partidos, a partir de junho deste ano, ?para garantir a segurança dos votos antes,durante e depois? das eleições.Segundo ele, será definido o acompanhamento do processo de instalação do sistema eletrônico.Jobim disse que, no ano que vem, pela primeira vez, o eleitor utilizará um sistema totalmente informatizado para votar seisvezes: para presidente, governador, duas opções para senador, deputado federal e deputado estadual.A última eleição, em 2000, foi totalmente informatizada, mas com apenas dois votos: para prefeito e vereador.O voto eletrônicocomeçou a ser implantado em 1996, atingindo apenas 1,03% dos 5.559 municípios brasileiros e 32% dos eleitores.?O senadorRequião (Roberto Requião - PMDB/PR) quer imprimir os votos das urnas eletrônicas como uma garantia de que o que está sendoapurado é o que foi votado, mas há uma complicação nisso: como o voto é secreto, ninguém além do eleitor pode examinar ovoto?, comentou.A proposta de Requião, segundo o ministro, é a de acoplar uma impressora ao lado da urna que imprimiria automaticamente ovoto, como fazem as máquinas de caixa eletrônico de banco.Este voto impresso seria deposita numa urna tradicional, paracontagem pelo sistema antigo. Este sistema seria instalado num número limitado de urnas, que permitiria uma amostragem de5% das máquinas. Caso o resultado comparativo indicasse fraude, seria anulada a eleição.Jobim comentou que a introdução do sistema de votação informatizado mudou a cultura eleitoral. Pelo método antigo, oscandidatos se preparavam para o resultado ao longo do demorado processo de apuração, o que fazia com que os perdedoreschegassem ao final mais ou menos conformados com o resultado.?A urna eletrônica representa a morte súbita, não há ummomento preparatório. Em alguns casos, os candidatos que perdem se revoltam, quebram e queimam urnas?, comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.