Jobim descarta presença de guerrilheiros das Farc na Amazônia

O ministro da Defesa, NelsonJobim, afirmou que a população brasileira pode ficar tranquilaporque não há guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias(Farc) infiltrados na Amazônia do país. "Temos 25 mil homens na Amazônia e um pelotão de fronteiraque conhece bem a região. Fiquem tranquilos", disse Jobim ajornalistas após visita ao submarino Tikuna, na base naval doRio de Janeiro. A declaração de Jobim deveu-se à afirmação do presidenteequatoriano Rafael Correa de que poderia haver bases das Farcno Brasil. O ministro reiterou que o Brasil não fez nenhuma vendailegal de armas e equipamentos para a Venezuela, como teriadenunciado uma entidade de monitoramento de ações bélicas nomundo. Ele informou que em 2006 o Brasil exportou revólveres paraa guarda da Venezuela, mas a operação só foi "realizada agora",e no ano passado o Brasil exportou balas de borracha e gáslacrimogêneo ao país vizinho. "Não tem nenhuma verdade nisso. Isso é falso", disse Jobimreferindo-se à denúncia. Jobim aposta numa solução diplomática para o conflito entreColômbia e Equador. "Temos certeza que as coisas se acalmarão.O Brasil e os demais países estão conscientes que a América doSul só vai se desenvolver se for unida... O objetivo da Américaé ser um continente de paz". Jobim voltou a defender a criação de um conselhosul-americano de Defesa, proposta que fizera ao governoargentino em fevereiro, e que foi ressaltada pelo presidenteLuiz Inácio Lula da Silva. O ministro disse que pretende visitar os países da Américado Sul durante o primeiro semestre para programar uma reuniãoque crie o conselho de Defesa ainda esse ano. Jobim descartou que o conflito entre Colômbia e Equador váacelerar o projeto de reaparelhamento das Forças Armadasbrasileiras. Segundo ele, o projeto continua em andamento edeve ser concluído até setembro. O conflito entre Colômbia e Equador foi deflagrado após oataque, no fim de semana, de militares colombianos a umacampamento das Farc em território equatoriano. O bombardeioresultou na morte de guerrilheiros, entre eles um líder dogrupo.(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.