Jobim critica tentativa de rever a Lei de Anistia

Em entrevista ao Estado, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, condenou a tentativa política de revisão da Lei de Anistia e disse que o debate sobre sua abrangência criou uma falsa disputa entre defensores de torturadores e dos torturados. Ex-presidente do STF e um dos artífices da Constituição de 88, Jobim deixa claro que o tema o entedia tanto quanto as queixas militares com relação ao Ministério da Defesa. ?Não me emociono com isso?, diz. Para ele, se a anistia está politicamente consolidada, sua discussão fora do ambiente do Poder Judiciário é perda de tempo.

AE, Agencia Estado

17 de março de 2009 | 07h27

Já o comando civil das Forças Armadas é irreversível. No primeiro caso, diz, o Ministério da Defesa adotará uma postura de absoluto viés jurídico. Em relação à reação militar à Estratégia de Defesa Nacional (END), materializada numa carta com críticas do ex-comandante Militar do Leste, general Luiz Cesário, distribuída entre os oficiais, o ministro chega a dizer que nem leu o documento. ?São vozes esporádicas, residuais?, minimiza. Na avaliação de Jobim, a vulnerabilidade do sistema militar brasileiro é outra: dependência externa de bens e tecnologia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
anistiaJobimrevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.