Jobim considera críticas de oficiais 'irrelevantes'

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, classificou de "absolutamente irrelevantes" as declarações de oficiais das Forças Armadas da reserva que criticaram sua fala com relação ao lançamento do livro ''''Direito À Memória e À Verdade''''. O livro relata histórias de prisões, perseguições e torturas de militantes políticos durante a ditadura militar. O ministro está visitando a base aérea da Marinha em São Pedro D''''Aldeia, no Estado do Rio, que está comemorando 91 anos. Segundo Jobim, "estamos em um processo em que aquela publicação culmina com o que iniciamos em 1995 com a edição da lei (que prevê a reparação de danos a presos políticos). Aqueles que têm a percepção de que aquilo (que prevê a lei) é a conciliação nacional sabem que a conciliação se faz com o exercício da memória e não com a ocupação da memória". Jobim garantiu que "a maioria absoluta dos militares sabe que este processo representa a pacificação e a conciliação nacional." "Aqueles que preferem ficar com os olhos no passado que fiquem e ficarão para trás."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.