Jobim adverte que tropas não servirão a candidatos no Rio

TSE decidiu enviar tropas para garantir os direitos de candidatos, que vinham sendo ameaçados por traficantes

REUTERS

19 de agosto de 2008 | 14h10

As tropas federais que vão atuar na campanha política fluminense estarão a serviço do processo eleitoral do Rio e não dos candidatos, disse o ministro da Defesa, Nelson Jobim. Na semana passada, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu enviar tropas ao Rio para garantir os direitos de candidatos, eleitores e da imprensa, que vinham sendo ameaçados por traficantes e milicianos de comunidades carentes do Estado.  Veja também:Jobim adverte que tropas não servirão a candidatos no RioCabral vai ao TSE pedir tropas para garantir eleições no RioCandidatos reagem a 'currais' do tráfico e milícias no RioConheça os candidatos a prefeito no Rio  Especial tira dúvidas do eleitor sobre as eleições   Veja as regras para as eleições municipais "Se um candidato não deseja entrar onde elas estiverem, elas não vão sair. Elas não estão a serviço dos candidatos. Estão a serviço da pacificação do processo eleitoral", afirmou a jornalistas o Ministro da Defesa Jobim disse que caberá ao TSE a definição dos locais de atuação das tropas federais. "Quem decide é o Tribunal Eleitoral. E quem decide como fazer, é o comando do Exército", disse ele. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, pediu para que as forças federais permaneçam no Estado após as eleições municipais, mas o ministro sinalizou que as tropas só devem atuar durante o pleito. O ministro procurou minimizar as divergências entre o governador e o Comando Militar do Leste que, segundo Cabral, não estaria colaborando com o Rio no combate à violência e à criminalidade. "Não há conflito. Há divergência de opiniões. Não compete às tropas federais fazer segurança pública. A intervenção em matéria de garantia da lei e da ordem só pode ser feita por determinação do presidente da República, uma vez que o governador tenha solicitado", disse Jobim, que participou da cerimônia de incorporação de uma corveta à Marinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.