João Paulo quer estudar em faculdade de Gilmar

Condenado a nove anos e quatro meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal, o deputado João Paulo Cunha (PT-SP) quer voltar a estudar Direito justamente na faculdade do ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, um de seus algozes no processo do mensalão. Gilmar é sócio-proprietário e professor do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), desde 1998, e João Paulo está interessado em se matricular lá.

VERA ROSA, Agência Estado

21 de dezembro de 2012 | 09h25

"Fiz uma consulta ao IDP", disse ele ao jornal O Estado de S. Paulo, revelando o interesse em voltar aos bancos escolares se conseguir reverter sua punição do regime fechado para o semiaberto.

Gilmar também é coordenador pedagógico da faculdade, que tem em seu corpo docente Teori Zavascki, o último ministro do STF nomeado pela presidente Dilma Rousseff. Teori não participou do julgamento do mensalão.

Com o voto de Gilmar, o Supremo condenou João Paulo, ex-presidente da Câmara, e outros dois deputados - Valdemar Costa Neto, do PR, e Pedro Henry, do PP - à perda automática de mandato. Para piorar a situação, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu nesta quarta-feira (19) ao STF a prisão imediata dos réus condenados no mensalão, caso de João Paulo e do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, entre outros.

A decisão sobre o pedido de Gurgel será anunciada nesta sexta-feira pelo presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, mas João Paulo tenta desviar do assunto. Faz planos para o futuro e diz acreditar na revisão da pena. Sem saber o seu destino, quer se matricular ao mesmo tempo em duas faculdades de Direito, uma em Brasília e outra em São Paulo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoJoão Paulofaculdade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.